Google+ Followers

Seguidores do Blog

2° LIÇÃO 2° TRIMESTRE 2015 O NASCIMENTO DE JESUS CRISTO


O NASCIMENTO DE JESUS CRISTO
O evangelista, doutor Lucas, o médico amado, escreveu a história do nascimento de Jesus Cristo, paralelamente, a de João Batista. Podemos chamar de histórias dos nascimentos dos dois meninos, pois, em primeiro lugar,
Lucas apresenta os anúncios do nascimento de João Batista e de Jesus Cristo (Lc 1.5-25, cf. w.26-38); depois, a visita de Maria a Isabel (Lc 1.39-45); o cântico de Maria e a informação de que ela passara três meses na casa de sua prima Isabel (Lc 1.46-56); em seguida, a narrativa do nascimento de João Batista (Lc 1.57-66); o cântico de Zacarias, seu pai (Lc 1.67-80); depois, a narrativa do nascimento de Jesus Cristo (Lc
2.1-7); logo mais, a chegada dos pastores de Belém (Lc 2.8-20); em seguida, a circuncisão e a apresentação de Jesus no Templo (Lc 2.21-24); a alegria de Simeão e da profetisa Ana com o nascimento do Salvador (Lc 2.25-38); e o encontro de Jesus com os doutores da Lei, no Templo, aos doze anos de idade (Lc 2.39-52).
Nas seções narrativas dos anúncios natalícios sobre Jesus Cristo e João Batista, e de seus respectivos nascimentos, os grandes hinos presentes na narrativa lucana tomou um vulto grandioso na História da Igreja: o Magnificat, cântico de Maria exaltando a Deus pelas suas obras (1.46-55); o Benedictus, o cântico de Zacarias quando bendiz o Deus de Israel e profetiza sobre o ministério de João Batista (1.68-79).
As narrativas dos nascimentos de Jesus e de João têm o objetivo de deixar claro, desde o início da obra evangélica, a importância suprema da pessoa Jesus Cristo. Enquanto João tinha pai e mãe, e fora fruto do relacionamento entre Zacarias e Isabel, a narrativa igualmente deixa clara que a mãe de Jesus, Maria, não conheceu homem algum. E que o Filho de Deus fora concebido no ventre de Maria pela obra do Espírito Santo.
No Benedictus, o cântico de Zacarias, João Batista foi profetizado como o precursor do Messias, Jesus, o Salvador do Mundo. O grande profeta foi reconhecido pelo povo e por Herodes. João Batista descortinou o caminho do Filho de Deus para o arrependimento do povo, após apresentá-lo a fim de que esse povo reconhecesse o Filho de Deus, o desejado entre as nações.
É importante que o estudante da Bíblia compreenda a forma como as narrativas do Evangelho de Lucas estão estruturadas, pois ela apresenta uma estrutura que faz sentido na forma como Jesus Cristo é apresentado a partir do capítulo 3 do Evangelho.
Revista Ensinador Cristão - CPAD, n° 62, p. 38.
COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Após uma rápida introdução (1.1-4), Lucas relata o anúncio dos anjos com respeito aos nascimentos vindouros de João Batista (w 5-25) e de Jesus (w. 26-38), narra a alegria das duas parentas, Isabel e Maria (vv. 39-45) e inclui uma cópia do magnífico cântico de louvor, em forma de poema, “o cântico de Maria”, comumente conhecido como “o Magnificat” (w. 46-56). Lucas descreve as circunstâncias extraordinárias do nascimento de João e o sentimento pela expectativa criada na região (vv. 57-66). Finalmente, Lucas inclui uma declaração profética de Zacarias, o pai de João, ao identificar a missão de seu filho como o precursor do Messias {w. 67-80). Ao juntar todo esse material, muitos dos quais exclusivos de seu Evangelho, Lucas chama a atenção para o clima de expectativa que Deus começava a criar entre seu povo como preparativo para o aparecimento do Salvador. Todavia, o autor também chama nossa atenção para as magníficas características de Maria e Isabel, mulheres de fé e compromisso.
RICHARDS. Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia. Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. Editora CPAD. pag. 652.
Neste capítulo, temos um relato do nascimento e da infância do nosso Senhor Jesus, pois a sua concepção, e o nascimento e a infância do seu precursor já tinham sido assunto do capítulo anterior. Aqui, o Primogênito vem ao mundo; vamos encontrá-lo com nossas hosanas, Bendito o que vem. Aqui temos: I. O lugar do seu nascimento, e outras circunstâncias, que provavam que Ele era o verdadeiro Messias, e alguém como nós necessitávamos, mas não alguém como os judeus esperavam, vv. 1-7. II. O aviso do seu nascimento aos pastores daquela região, levado por um anjo; o cântico de louvor que os anjos entoaram naquela ocasião, e a propagação da notícia do seu nascimento pelos pastores, w. 8-20. III. A circuncisão de Cristo, e o nome que lhe foi dado, v. 21. IV A apresentação do menino Jesus no templo, vv.22-24. V Os testemunhos de Simeão, e Ana, a profetisa, a respeito dele, w . 25-39. VI. O crescimento e a capacitação de Cristo, w. 40-52. VII. Seu comparecimento à Páscoa, aos doze anos de idade, e a sua conversa com os doutores no templo, vv. 41-51. E isto, juntamente com o que já encontramos (capítulos 1 e 2 do Evangelho de Mateus), é tudo o que sabemos a respeito do nosso Senhor Jesus, até que Ele iniciou a sua obra pública, aos trinta anos de idade.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 526.
1 - O NASCIMENTO DE JESUS NO
CONTEXTO PROFÉTICO
1. POESIA E PROFECIA.
O Magnificat (1.46-56). Alguns questionam se uma jovem e inculta criatura poderia compor esse magnífico poema profético. Não obstante, Maria estava bem familiarizada com as passagens do Antigo Testamento, pois as ouvia nos momentos de louvor na sinagoga e em sua casa. Maria, sem dúvida alguma, sabia tudo sobre a visita do anjo e pode ter escrito seu salmo durante semanas, orientada pelo Espírito que falava através dela. Seu poema em formato de louvor é dividido em quatro partes distintas. 1) louvor e agradecimento pessoal (w. 46-48); 2) celebração aos atributos de Deus (w. 49,50); 3) proclamação da correção da injustiça (w. 51-53); e 4) louvor pela misericórdia demonstrada a Israel (vv. 54,56).
O Benedictus (1.67-80). O poema profético de louvor de Zacarias a Deus, pelo Messias (vv. 68-75) e o papel de seu filho, João (w. 76-79).
RICHARDS. Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia. Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. Editora CPAD. pag. 652.
O Cântico de Maria: Magnificat, 1: 46-55.
Foi dado o nome do Magnificat , termo latino equivalente à primeira palavra do texto grego, megalúno 3170 ( amplia ou "maravilhoso").
Magnificat 1: 46-55
Magnificat é o nome que tem sido chamado o cântico de Maria. O termo Magnificat é latim e significa "amplia" ou "magnífico", que é a primeira palavra que Mary usado neste cântico de louvor a Deus.
O Magnificat é um cântico de louvor à grandeza de Deus. Exaltar acima de todas as manifestações de Seu amor e poder em favor dos pobres e desprezados. Minimiza o poder do "potente". Seu vocabulário é radical e clara. Contém um fundo AT ricos (como as canções de Zacarias e Simeão), constituindo um mosaico de textos do AT (Salmos dos pobres de Javé, Sofonias, entre outros), que se destaca como ponto de partida a música Ana (1 Sam. 2: 1-10).
No geral, sinais de catástrofe proclama as implicações do ato redentor de Cristo. Anuncia e celebra as situações específicas de investimento. A vida poderoso e arrogante em suas próprias forças de segurança e os bens serão destronados (vv. 51, 52a). Mas o humilde, acostumada a se curvar diante do rico, e cujos direitos são espezinhados e permanentemente manchada, ser exaltado (v. 52b). Em outras palavras, eles vão voltar tudo relacionado a sua dignidade. Os famintos e necessitados recebem a abundância, enquanto os ricos serão despojados de sua riqueza (v. 53).
Os chamados orgulhoso, poderoso e rico são a classe alta da nação judaica, representada pelos fariseus, saduceus, dos principais sacerdotes e os ricos oligarquia sacerdotal. Os humildes e famintos pessoas são como Zacarias, Simeão, Ana, Lázaro e suas irmãs, e todos os que em Lucas são os verdadeiros protagonistas da história: os marginalizados. Tudo só aconteceu por volta anúncios de João e Jesus, Maria é interpretado como o cumprimento das promessas antigas feitas no interesse de Israel e verificados na vinda do reino do Messias.
O Magnificat é entre o tempo de espera (AT) e tempo de realização (NT). Testemunhar a alegria ea gratidão dos pobres, que esperam e confiam na ação de Deus. Mercy é evidente como o sinal constante por trás do julgamento e redenção. Nesta canção, Maria louva a Deus por sua graça para com ela, os pobres (ênfase principalmente Lucas) e ao seu povo Israel. Esta é a estrutura da Magnificai.
a. Atividade divina em favor de Maria, 1: 46-50. Esta parte, o teológico, contém uma série de elementos que proporcionam uma unidade inegável. Primeiro de tudo, é a única parte do hino que se conecta à situação concreta de Maria (Anunciação e visitação), e manifesta a sua dimensão pessoal, por exemplo: a minha alma (. v 46), meu espírito e meu Salvador (v 47), seu servo, referindo-se a Maria, e vai me chamarão bem-aventurada (v 48): o Todo-Poderoso fez grandes coisas por mim (v 49). aqueles que o temem , como Mary (v 50).
Além disso, apenas nesta parte da música acumular explicitamente vários títulos divinos, como Senhor (v 46), Salvador (v 47); Poderoso ys anto (v 49). Há um alto senso de propriedade e pertencimento interpessoal. Finalmente certos atributos de Deus são destacados: (Vv 47, 48) graça, bondade e fidelidade-inferidas-; santidade e onipotência (v49); misericórdia (v 50).
Maria reconheceu a sua necessidade de um Salvador; Ele louvou a Deus por seus maravilhosos prodígios; e reconheceu a perfeita fidelidade de Deus às suas promessas. Neste contexto de louvor, Maria revela suas convicções espirituais mais íntimos. b. Atividade Divina em favor dos pobres, 1: 51-53 . Esta parte é aparentemente menos conceitual do que o anterior, com um forte sentido sociológico. O assunto dos seis verbos é Deus (se espalhou, fora, para cima, satisfez, demitido ). O beneficiário em todos os casos, o homem é carente e marginalizada (seis é o número do homem, comp. Apoc. 13:18). Para a construção gramatical de verbos (aoristo sentencioso, indicando um procedimento usual), eles têm de traduzir e presente. Ou seja, aqui indicam uma constante na atividade divina através da história da salvação. Em uma palavra, Deus exalta os pobres e os poderosos abade. O v. 51, contém o juízo divino histórico em seu aspecto negativo, Deus com seu poder frustra os planos do arrogante. Esta constante na história da salvação é especificado como autêntico julgamento divino em duas categorias antitéticas: os ricos e poderosos, de um lado, e os humildes e com fome para o outro.
c. Atividade de Deus em favor de Israel, 1:54, 55 . María Aqui, novamente mudou a perspectiva. Centra agora a atividade salvadora de Deus em Israel, com um claro senso de história, passando, assim, a salvação coletiva. A razão para isto favor divino por seu servo (Pais 3816) Israel é a misericórdia (eleos 1656) Deus (v 54b), e a fidelidade de suas promessas (v. 55).
O tema dos três verbos (a judo, lembre-se, ele falou), mais uma vez é Deus. E o personagem de salvação gratuita é suficientemente especificadas tanto em misericórdia, pela fidelidade de Deus às suas promessas.Especificamente, o convênio de Abraão, que é o mais importante no AT relativas à salvação referências históricas e teológicas são dadas.
Nessa aliança (cf. Gn 12, 1-3, 15, 17, 22:18; 26: 4; 28:14), Deus havia prometido a Abraão uma bênção pessoal ("eu te abençoarei e fazer o seu nome, e tu serás uma bênção "), nacional ("Farei de ti uma grande nação") e universal ("E em você todas as famílias da terra"). Isso significa que Maria estava ciente de que o nascimento de Jesus foi o cumprimento das promessas feitas a Abraão e ao seu povo, e através deles, toda a humanidade (cf. Gal 3:16; Atos 3:25, 26).
No Magnificat, Maria diz absolutamente nada para si mesma. Limitou-se a ampliar e exaltar o seu Senhor, Salvador e Deus: "Fazei o que Ele vos disser" (Jo 2, 5). Este é o único registro bíblico onde Maria dá um comando (nas bodas de Cana), e isso é pedir só a humanidade a obedecer a Jesus porque Ele é o Senhor.
O Cântico de Zacarias: Benedictus, 1:67-79. Ele é conhecido sob o nome de Bento, a primeira palavra na versão latina (o mesmo que o Magnificai). É uma canção cheia de citações e alusões ao AT. Na teologia de Lucas, o enchimento do Espírito Santo está associado com a habilidade sobrenatural para proclamar a palavra de Deus com poder (1:67). O Espírito de Deus estava associada a profecia do Antigo Testamento, e essa perspectiva permaneceu em vigor em Jesus. O tema central da canção é a salvação de Deus. E o tom é solene, condizente com um estilo sacerdotal e profético.
Benedictus 1: 67-79
Essa música expressa por Zacarias veio a ser conhecido como o Benedictus , porque da primeira expressão em latim, no versículo 68 traduzida como "bendito seja." Acredita-se ter sido usado pela primeira vez este nome no ano de 253 d. AC, por um monge chamado San Benito. (A) Louve a Deus pela salvação profetizou, 1: 67-72. Zacarias começa com a frase habitual da bênção judaica: Bendito seja o Senhor, Deus de Israel (v 68). Zacarias associado profeticamente a "visitação" de Deus com uma "redenção" e consumado. É uma clara alusão ao envio do Messias, o Filho de Davi. A razão para a alegria de Zacarias é que agora é a salvação do Senhor, conforme anunciado e aguardado por séculos. Ochifre de salvação, ou, literalmente, "uma salvação" (v. 69, ver nota RVA) é, sem dúvida, uma referência direta ao Messias, que em poucos meses para nascer. chifre é um conceito bíblico profético e apocalíptico significa "poder" ou "força" como o chifre de um animal poderia dar a vitória na batalha. Ela tem um significado paralelo ao "rock" e "força" Salmo 18: 2. E é uma linguagem belicosa para indicar a vitória do Salvador (Sal 132 .: 17).O v. 70 reflete o plano soberano de Deus cuidadosamente projetados e socializados através dos profetas do Antigo Testamento; fato de que Zacarias era conhecido como seu personagem como um sacerdote. Nos versos. 71, 72 Zacarias está descrevendo o libertador boa notícia de visitação para o povo de Israel. É um ato de libertação dos inimigos diretos de Israel, e os que desprezam. É um ato de misericórdia da parte de Deus às promessas feitas a Abraão e Davi, e para honrar sua santa aliança . Assim, Deus está cumprindo a sua aliança.
(B) O louvor a Deus pela salvação prometida, 1: 73-75 . Zacharias recorda e re-enfatiza o coração da aliança abraâmica (v. 73). Transcende dois fatos de sua perspectiva: Qual é a razão pela qual, pacto ou aliança;? e, o que é o propósito da aliança?, ou o que o pacto. A razão do pacto é uma palavra: (V 74a) redenção, salvação ou libertação. E o propósito é servir ao Senhor, no contexto das três virtudes: sem medo (afóbos 870); em santidade (osiótes 3742) e justiça (dikaiosune 1343).
Além disso, Zacarias explica que o serviço está em curso, todos os dias (1: 74b, 75). Aparentemente relembra seus muitos anos à espera de "a" oportunidade de uma vida para servir no templo. Agora, ele pode transcender o fato de que todos (não apenas padres) podem servir a Deus de forma permanente (não ocasional). A promessa da aliança com Abraão tinha a intenção de criar uma nova identidade e propósito no povo de Israel foi redimido pelo poder de Deus, para servir ao Senhor.
(C) Louve a Deus pela salvação oferecida, 1: 76-79. Nesta parte da música, Zacarias centra-se no presente e aponta para a missão tanto de João como Jesus. O v. 76 e 77 definem a identidade e do ministério do precursor. Ele será o profeta do Altíssimo (1. 76, leia o Senhor, comp com 1:32), que vai quebrar no palco da história, com dois objetivos específicos: (1) Para preparar os seus caminhos (1: 76b). Para gerar um novo êxodo para o povo de Israel (cf. Is 40, 3; Luc 3: 4 ss). João aparece, nesse sentido, como uma espécie de novo Moisés. A este respeito, deve-se notar que todas as festas judaicas apontou Messias. Prevendo que as férias chegaram. (2) Y para instruir as pessoas que a salvação consiste em o perdão dos seus pecados (1:77) e, portanto, requer arrependimento pessoal e não se gabar ou confiar a sua identidade nacional e religiosa (comp. 3 : 8, 05:32, 13: 3, com Marcos 1: 4, 14, 15, Atos 2:38, 03:19, 26, 05:31).
Tesouro Biblico
Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo (1:68). O vv. 78, 79, não se refere a João, mas Jesus, o Messias. A causa ou razão essencial, ele deixa no final de sua canção. A salvação é o resultado da misericórdia do nosso Deus (v. 78). E será concretizado na história (porque a salvação é intrahistorical), por meio da luz da aurora ; outras maneiras de dizer o que pode ser "a aurora do alto"; "Rising Sun" ou "Sol da justiça" (cf. Ml. 4 :. 2, Sl 84:11.). É uma forma poética e profética para descrever Jesus, o Messias, o Filho de Deus, que "nasceu" (vamos visitar futuro-a-alvo, que é a versão correta no MSS mais antigos, v 78b, já em textos diz " nós visitamos", uma aoristo, fazer este paralelo, mss. tarde, com v. 68). Parece ser um jogo muito inteligentes palavras em grego que procura descrever o Messias como "reparação" ou "estrela" do Antigo Testamento (cf. Is 4: 2; 53: 2; Jeremias 23: 5; 33:15, Zacarias.3: 8; 6:12). O Senhor Jesus foi glorificado e fechar o cânon bíblico, jogou o cumprimento dessa profecia em si mesmo: "Eu sou a raiz ea geração de Davi, a estrela brilhante da manhã "(Ap 22:16b, ênfase acrescentada). Zacarias tem dois bebês em sua mente, um já nascido, João, eo outro Jesus que vai nascer. Finalmente (v. 79), Zacarias requer dois aspectos da missão do Messias. O contexto dessa passagem é completamente messiânico (cf. Is 9: 1, 2, 6, 7, Luc. 4: 14-21.). Assim: (1) esclarecer os que jazem nas trevas e na sombra da morte (cf. Is 9, 2; Salmo 23: .. 4 em João 10: 7-18, 1: 7-9, 8:12; 1 Jo 1. 5-7). Pecado distorce a vida humana e social, e cria injustiça e conseqüente morte. Cristo vai iluminar a situação em que as pessoas vivem; condições de pobreza, marginalização e alienação. (2) dirigir os nossos pés no caminho da paz (Eirene 1515). Paz na Bíblia significa reconciliação, harmonia, integridade e vida plena em todos os sentidos possíveis. Esta parte ecos previsto por Isaías 9: 6, o Messias será chamado de Príncipe da Paz.
Daniel Carro; José Tomás Poe; Ruben O. Zorzoli. Comentário bíblico mundo hispano. Editora Mundo Hispanico. Casa Batista de Pulblicaiones.
2. A RESTAURAÇÃO DO ESPÍRITO PROFÉTICO.
O contexto profético
Já foi dito neste livro que Lucas demonstra um interesse ímpar na pessoa do Espírito Santo e como Ele se relaciona com o ministério de Jesus. Lucas faz um desenho detalhado do contexto profético a fim de mostrar que o espírito profético havia sido revivificado.
Os expositores bíblicos David W. Pao e Echard J. Schnabel denominam esse aspecto da teologia carismática de Lucas de “o alvorecer da era escatológica”, e escrevem:
“Como o surgimento de João Batista significa o retorno da profecia e dos atos salvíficos de Deus na história, essa sessão destaca o despertar da era escatológica. A intensidade da presença do Espírito Santo enfatiza essa afirmação: Isabel “ficou cheia do Espírito Santo” (1.41), e assim também Zacarias (1.67). O ministério de João Batista é caracterizado como um ministério do Espírito (1.15). Simeão, que aguarda com expectativa a consolação de Israel (cf. Is 40.1), recebe o Espírito (2.25) e a revelação do Espírito Santo de que “ele não morreria antes de ver o Cristo da parte do Senhor” (2.26). Embora a presença do Espírito possa ser encontrada nos relatos de personagens do AT (e.g., Josué [Nm 27.18], Sansão [Jz 13.25], Davi (1 Sm 16.13], essa intensidade só encontra correspondência no acontecimento do Pentecostes, relatado no segundo volume de Lucas (At 2), no qual as promessas proferidas por João (Lc 3.16) e por Jesus (Lc 11.13; 12.12; At 1.8) são cumpridas. Esses acontecimentos apontam para o cumprimento de antigas promessas que falam do papel do Espírito no tempo do fim (v. esp. Is 32.14-17 [cf. Lc 24.49; At 1.8]; J1 2.28-32 [cf. At 2.17-21]), quando Deus restaurará seu povo para sua glória (At 3.19-20)”.
A teologia de Lucas, portanto, tanto no terceiro evangelho como nos Atos dos Apóstolos é uma teologia da Salvação de Deus. Durante seu ministério terreno, capacitado pelo Espírito Santo, conforme o testemunho do terceiro evangelho, Jesus a proclamou (Lc 4.18; At 10.38). Glorificado à direita do Pai nos céus, e através do mesmo Espírito que outorgou aos que lhe obedecem, conforme o testemunho de Atos dos Apóstolos (At 2.33; 5.32), o Senhor está dando-lhe continuidade.
O Espírito Santo sempre esteve presente na história do povo de Deus. Ele esteve presente na história do antigo Israel, esteve presente no ministério de Jesus e dos apóstolos e agora está presente na igreja hodierna!
José Gonçalves. Lucas, O Evangelho de Jesus, o Homem Perfeito. Editora CPAD. pag. 32-33.
O Caráter de Simeão (Lc 2.25-27)
1. Justo. “Homem este justo e piedoso”. Simeão era “justo” com respeito aos mandamentos de Deus - vivia corretamente - e “piedoso” em seu relacionamento com Ele - amava ao Senhor e era espiritual. Chamariam-no os vizinhos “homem bom”, “generoso”, “misericordioso” e “benevolente”.
2. Esperançoso. “Esperava a consolação de Israel”, ou seja, a vinda do Messias. Havia entre os judeus piedosos da época a convicção de que a vinda do Messias não seria adiada por muito tempo (cf. Mc 15.43). Era comum a oração: “Deus conceda que eu possa ver a consolação de Israel!”
3. Ungido pelo Espírito. “E o Espírito Santo estava sobre ele”. Havia muito tempo, o Espírito Santo deixara os líderes de Israel, e eles jaziam em meio à palha seca da formalidade. Deus estava procurando almas humildes e consagradas, sedentas de retidão. Por vezes a morte de igrejas estabelecidas leva-o a despertar novos movimentos espirituais entre as pessoas humildes e simples. O reavivamento wesleyano é um exemplo.
4. Ensinado pelo Espírito. “Revelara-lhe o Espírito Santo que não passaria pela morte antes de ver o Cristo do Senhor”. Pessoas virtuosas e sinceras têm confundido o intenso anseio pela volta do Senhor como sinal de que a verão acontecer. No caso de Simeão, porém, houve genuína revelação de que o desejo do seu coração seria satisfeito.
5. Orientado pelo Espírito. “Movido pelo Espírito foi ao templo”. Um impulso secreto o fez dirigir-se ao santuário. Era um momento crítico, quando tudo dependia da sua obediência à voz de Deus.
Myer Pearlman. Lucas, ó Evangelho do Homem Perfeito. Editora CPAD. pag. 51-52.
O testemunho que Simeão lhe dá é muito honorável, e este testemunho foi tanto uma reputação para o menino quanto um incentivo para os seus pais, e poderia ter sido uma feliz iniciação dos sacerdotes para uma intimidade com o Salvador, se estes sentinelas não estivessem cegos. Observe aqui:
1. A informação que nos é fornecida a respeito deste Simeão: Ele vivia em Jerusalém, e era conhecido por ser “justo e temente a Deus” . Alguns homens instruídos, que têm profundo conhecimento dos autores judeus, dizem que houve, nesta época, um Simeão, um homem muito conhecido em Jerusalém, o filho de Hillel, e o primeiro a quem foi dado o título de Rabban, o maior título que era dado aos seus doutores, e que foi dado somente a sete deles. Ele sucedeu ao seu pai Hillel, como presidente do conselho que o seu pai tinha fundado, e do grande Sinédrio. Os judeus dizem que ele era dotado de um espírito profético, e que tinha sido expulso do Sinédrio por ter testemunhado contra a opinião corrente dos judeus a respeito de reino temporal do Messias; e, da mesma maneira, observam que não há menção dele na sua Mishna, ou livro de tradições, o que dá a entender que ele não foi adepto daquelas tolices. Uma objeção contrária a esta conjetura é o fato de que, nesta época, o seu pai, Hilel, ainda estava vivo, e ele mesmo viveu por muitos anos depois disto, como fica evidente pelas histórias dos judeus; mas, quanto a isto, aqui não está dito que ele fosse velho; e as suas palavras: “Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu servo”, indicam que ele estava preparado para morrer agora, mas não se pode concluir que, por isto, ele realmente morreu dentro de pouco tempo. O apóstolo Paulo viveu muitos anos depois de ter dito que a sua morte estava próxima, Atos 20.25. Outra objeção se refere ao fato de que o filho de Simeão era Gamaliel, um fariseu e inimigo do cristianismo; mas, quanto a isto, não é novidade que um amigo fiel de Cristo tivesse como filho um fariseu fanático.
As informações que temos aqui sobre Simeão dizem que: (1) Ele era justo e devoto, “justo” com relação aos homens, e “temente a Deus” ; estas duas qualidades sempre devem andar juntas, e cada uma delas deve auxiliar a outra, mas nenhuma poderá compensar a deficiência da outra. (2) Ele esperava “a consolação de Israel”, isto é, a vinda do Messias, pois somente nele a nação de Israel, que agora estava miseravelmente subjugada e oprimida, encontraria consolação. Cristo não somente é o autor do consolo do seu povo, mas também a essência e a base dele, o consolo de Israel. Ele era esperado há muito tempo, e aqueles que acreditavam que Ele viria, continuavam aguardando-o, desejando a sua vinda, e esperando com paciência; e eu quase disse, com algum grau de impaciência, que estavam esperando que Ele viesse logo. Simeão sabia, pelos livros, como Daniel, que era chegado o tempo, e, portanto, agora havia uma expectativa maior do que nunca. Os judeus incrédulos, que ainda estão esperando aquele que já veio, usam como um juramento, ou uma declaração solene, as palavras: Isto e aquilo acontecerão, assim como eu espero ver a consolação de Israel. Observe que “a consolação de Israel” deve ser esperada, e vale a pena esperar por ela, e será muito bem-vinda àqueles que esperaram por ela, e continuam esperando. (3) “O Espírito Santo estava sobre ele”, não somente como um Espírito de santidade, mas como um Espírito de profecia; ele estava cheio do Espírito Santo, e por isto tinha a capacidade de falar das coisas que estavam acima de si mesmo. (4) Uma graciosa promessa tinha sido feita a ele, de que “não morreria antes de ter visto o Cristo do Senhor”, o Messias, v. 26. Ele se perguntava a que tipo de tempo o Espírito de Cristo, os profetas do Antigo Testamento se referiam, e se ele seria chegado agora; e ele recebeu este oráculo (pois é isto o que a palavra quer dizer) que “não morreria antes de ter visto” o Messias, “o Ungido do Senhor”. Observe que aqueles que tiveram, por fé, uma visão de Cristo, e somente aqueles, podem encarar a morte com coragem, e olhá-la nos olhos, sem terror.
2. A oportuna vinda de Simeão ao templo, na ocasião em que Cristo foi apresentado ali, v. 27. Justamente nesta ocasião, quando José e Maria trouxeram a criança, para registrá-la, como se fosse, no livro da igreja, entre os recém-nascidos, Simeão entrou no templo, por orientação do Espírito. O mesmo Espírito que tinha lhe possibilitado esta esperança, agora possibilitava o êxtase desta alegria. Ele ouviu um sussurro junto ao seu ouvido “Vá agora ao templo, e verá o que tanto deseja ver” . Observe que aqueles que desejam ver a Cristo devem ir ao seu templo; pois “de repente, virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais”, Ele virá nos encontrar, e ali devemos estar preparados para encontrá-lo.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 532.
Simeão é descrito como justo. Também o era José, o esposo de Maria (Mt 1.29); e o era a própria Maria, bem como Zacarias e Isabel (Lc 1.6). E não nos esqueçamos de José de Arimatéia (23.50).
Simeão “era justo e devoto”. Veja outros exemplos de pessoas devotas em Atos 2.5; 8.2; 22.12. Com a máxima prudência, essas pessoas se encarregaram dos deveres que Deus lhes designara. São conscientes em seus planos, tendo sempre como objetivo melhorar o bem-estar delas mesmas e de seu próximo, para a glória de Deus. A combinação “justo e devoto” bem que poderia indicar que Simeão se conduzia de tal modo que sua conduta com respeito aos homens (era justo) e para com Deus (era piedoso) era alvo da aprovação divina.
Este homem “estava esperando a consolação de israel”. Realmente, as condições em Israel eram bem precárias, precaríssimas no tempo em que Jesus nasceu em Belém. Pense na perda da independência política, no cruel rei Herodes, na degeneração da religião que passara a ser algo completamente externo, no legalismo de escribas e fariseus e de seus muitos seguidores, no mundanismo dos saduceus, no silêncio da voz profética etc. Mas em meio a toda essa obscuridade, degradação e desespero havia homens que olhavam com esperança, com sinceridade, “para a consolação de Israel”. Havia homens ... e também mulheresl Já foram mencionadas Maria e Isabel. Um pouco mais adiante Lucas porá Ana na lista. A frase “todos os que estavam esperando a redenção de Jerusalém” (2.38) indica que esse grupo de homens e mulheres piedosos era considerável.
Que esses homens e mulheres eram deveras justificados nessa esperança é evidente à luz da profecia. Por exemplo, estude as muitas profecias de Isaías nas quais se prometem bênçãos tais como consolo, paz e alegria, associando-as com a era messiânica (Is 7.14; 9.1-7; 11.1- 10; 40.1-11; 49.8-13; 51.1-6, 12-16; 52.13-55.13; 60.1-3; cap. 61; 66.13).
Simeão fora dotado com uma bênção muito rara e especial. De alguma forma, mesmo antes do Pentecostes, o Espírito Santo já estava habitando nele. Ele estava constantemente sob a influência do Espírito.
Esse mesmo Consolador lhe revelara que não morreria sem antes ver o Cristo de Deus. Para ter mais luz sobre a expressão, o Cristo de Deus, ou do Senhor, veja Salmo 2.2; 45.7; 110.1; Isaías 61.1; Lucas 4.18.
HENDRIKSEN. William. Comentário do Novo Testamento. Lucas I. Editora Cultura Cristã. pag. 230-231.
II-O ANÚNCIO DO NASCIMENTO DE JESUS
1. ZACARIAS E IZABEL.
Exercendo ele o sacerdócio diante de Deus (8) indica que se tratava de um sacerdote - em uma época em que o sacerdócio era freqüentemente corrupto e secularizado - que percebia o caráter sagrado do seu trabalho e o relacionamento, tanto do seu trabalho quanto da sua pessoa, com Deus. Deus não somente escolhe grandes homens para executarem grandes tarefas, mas Ele também destina grandes pais para esses homens - grandes, de acordo com o padrão de Deus.
Na ordem da sua turma significa a ordem de Abias (veja o comentário sobre o versículo 5). Na Páscoa, no Pentecostes, e na Festa dos Tabernáculos todos os sacerdotes serviam simultaneamente, mas durante o resto do ano cada uma das 24 ordens servia durante uma semana a cada seis meses. Zacarias estava servindo durante uma dessas semanas no Templo. Depois de terminar o seu período de serviço, ele retornaria à sua casa.
Os deveres do sacerdote eram atribuídos por meio da sorte sagrada (9). A maior honra que um sacerdote poderia ter era a de oferecer incenso, e um sacerdote não poderia tirar outra sorte melhor durante aquela semana de serviço. O incenso era oferecido antes do sacrifício matinal, e depois do sacrifício vespertino, no altar do incenso. Este altar se localizava no Tempo, imediatamente antes do véu que separava o Lugar Santo do Lugar Santíssimo.
Toda a multidão... estava fora, orando, à hora do incenso (10). Esta era uma ocasião altamente sagrada. O incenso oferecido simbolizava as orações do povo, que eram ofertadas ao mesmo tempo, pelas mulheres no pátio das mulheres, pelos homens no pátio dos homens e pelos demais sacerdotes no pátio dos sacerdotes.
Então, um anjo do Senhor lhe apareceu [a Zacarias] (11). A voz divina da revelação não havia se pronunciado durante quatro séculos. Então, de repente, apareceu o anjo do Senhor. Observamos que o anjo não “se aproximou”, ele apareceu - de repente, sem aviso. O fato de ele ter aparecido a um sacerdote no Templo ressalta as características de Antigo Testamento desse início da revelação do Novo Testamento. João seria um precursor do Cristo que viria e do seu Reino. Ele também seria um elo com a revelação do Antigo Testamento, que agora estava chegando ao seu final.
A direita do altar do incenso é o lado norte, entre o altar do incenso e a mesa dos pães da proposição. Observamos como Lucas é específico com os mínimos detalhes. Esta é uma característica que podemos observar em todo o seu Evangelho, e é mais uma prova da sua autenticidade.
Zacarias... turbou-se... e caiu temor sobre ele (12). Esta era uma reação natural sob estas circunstâncias incomuns.
O anjo lhe disse... não temas (13). Embora o medo fosse a reação humana natural, a missão do anjo proporcionava motivo para alegria. A sua presença não era uma indicação do desagrado de Deus, mas da Sua aprovação, e da adequação de Zacarias para uma tarefa divina muito significativa.
... a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho. A oração à qual o anjo se refere deve ter sido feita em um período anterior da vida de Zacarias; a sua dificuldade em acreditar na promessa do anjo evidencia que há muito tempo ele já tinha deixado de orar por um filho, ou até mesmo de esperar por ele. Mas Deus não se esquece das orações passadas. O que parece ser uma demora ou uma recusa da parte de Deus, é somente a Sua perfeita sabedoria e o Seu perfeito planejamento. Alguns estudiosos opinam que a oração mencionada aqui foi para a vinda do Messias ou para a libertação de Israel, mas isto não seria coerente com o contexto. Sem dúvida, Zacarias orava freqüentemente pedindo essas coisas, mas a oração mencionada era aquela em que ele pedia um filho.
E lhe porás o nome de João. Deus não apenas convocava e enviava os seus profetas, mas também freqüentemente lhes dava o nome. “João” significa “Jeová mostra graça” ou “a misericórdia” ou “a graça de Jeová”.2 Este era um nome apropriado para alguém cujo ministério demonstra tão claramente a lembrança e a misericórdia de Deus para com o seu povo.
Charles L. Childers. Comentário Bíblico Beacon. Lucas. Editora CPAD. Vol. 6. pag. 358-359.
A FELICIDADE DE UM LAR PIEDOSO: “Ambos eram justos...” 1) Este casal judaico reconhecia a mão de Deus em todos os acontecimentos da vida, v.8. 2) Naturalmente isto foi porque oravam por tudo, v. 13. 3) Era um lar livre da miséria produzida por bebida forte e que assola tantos lares atualmente, v. 15. 4) Suas vidas eram irrepreensíveis. Eram alcados a observar os preceitos das Escrituras, v.6. Deve distinguir-se entre ser irrepreensível e ser perfeito. O aluno que se aplica sinceramente para recitar corretamente as lições, não é repreendido pelo professor, apesar das imperfeições. 5) Como suportavam com paciência em oração o desapontamento, assim transbordavam com hinos de louvor, quando Deus por fim deu o filho. O louvor de Zacarias mostra que a mente do velho era embebida da palavra de Deus. 6) A influência do lar piedoso. Quantas pessoas foram grandemente abençoadas pelo contato com o lar de Zacarias e Isabel? 7) Deus tem planejado a vida inteira de todas as pessoas, v. 17. Todos temos carreira marcada, At 20.24. 8) O filhinho neste lar era cheio do Espírito Santo, desde o começo, v.15.
E aconteceu que, exercendo ele o sacerdócio... (v.8): Podem-se receber visões, quando se trabalha fielmente, apesar de o serviço ser humilde: Moisés apascentava o rebanho de Jetro, quando recebeu a chamada de Deus na sarça ardente, Ex 3.1. Gideão malhava trigo, quando o anjo lhe apareceu e o enviou a libertar Israel, Jz 6.11. Eliseu arava com doze juntas de bois, quando a capa profética caiu sobre ele, 1 Rs 19.19. Davi estava no aprisco cuidando das ovelhas, SI 78.70. Mateus cumpria seus deveres na coletoria, Mt 9.9 Coube-lhe em sorte... oferecer o incenso (v.9): Duas vezes por ano Zacarias subia a Jerusalém para executar o seu termo de funções sacerdotais. (Compare 2 Cr 8.14).
Nesta ocasião, tinha chegado para ele o privilégio de que o sacerdote podia gozar só uma vez na vida: “Coube-lhe em sorte” entrar no Santo lugar, no Templo, na hora de oração e oferecer incenso sobre o altar de ouro perante o véu, na própria presença de Deus. Foi um grande dia da vida do sacerdote, e especialmente para Zacarias porque foi levado até a presença de Deus, onde recebeu a bênção, desejada, ardentemente, por tantos anos, um filho para libertar o povo de Deus.
Orando... à hora do incenso (v.10): O incenso que Zacarias queimava no altar de ouro, era símbolo de oração, louvor e adoração dos crentes, SI 141.2; Ap 5.8. Quando o sacerdote o oferecia, tocava-se uma campainha, como sinal para o povo no átrio, fora, e todos permaneciam orando. O incenso subindo do altar servia como símbolo das orações subindo do coração para o trono de Deus. Ao mesmo tempo indicava que era necessário algo além das orações, que eram em si mesmas, incompletas. Nossas orações, muitas vezes, têm tanto da natureza humana, que é necessário algo para aperfeiçoá-las.
E um anjo do Senhor lhe apareceu (v. 11): Zacarias, o profeta, era o último citado no Velho Testamento a quem apareceram anjos; Zacarias, o sacerdote, é o primeiro mencionado no Novo Testamento que tinha experiência com um anjo. Os olhos de Zacarias foram abertos para perceber o anjo, “posto em pé, à direita do altar.” A presença de anjos não é coisa extraordinária. O que é fora do comum é ter os olhos abertos para ver os anjos sempre presentes. (Compare 2 Rs 6.17).E Zacarias, vendo-o, turbou-se (v. 12): As Escrituras mostram que os homens sempre temem quando têm comunicações com o mundo invisível. (Vede Jz 13.20-22; Dn 10.7-9; Ez 1.28; M c 16.8; Ap 1.17.) Quando esse é o efeito nos homens irrepreensíveis, que se dará com os descrentes, quando Deus mandar Seus anjos ajuntá-los para o juízo?
Zacarias... a tua oração foi ouvida (v. 13): Entre os judeus o ritualismo e o formalismo tomaram o lugar da verdadeira comunhão com o Criador.
A glória de Deus tinha-se afastado do Templo e os sacerdotes cumpriam maquinalmente seus exercícios diante de Deus. Os cultos nas sinagogas eram secos e monótonos. Mas, como nos dias de Elias, apesar da grande apostasia, havia sete mil homens que não dobraram joelhos diante de Baal (Rm 11.4), assim havia no tempo do nascimento de João Batista, os fiéis que conheciam intimamente a Deus. Zacarias acompanhava seu ato de oferecer o incenso no Templo, com intercessão tão fervorosa que lhe foi enviado o anjo Gabriel para assegurar-lhe que sua oração por um filho, para libertar o povo de Deus, foi ouvida. Quando os céus nos parecem fechado, é quando devemos clamar com fé mais viva. Ele é galardoador dos que O buscam, Hb 11.6.
E lhe porás o nome de João (v. 13): O nome ‘João” é o mesmo de ‘Joanã” que se encontra freqüentemente no Velho Testamento e quer dizer, “a graça, a dádiva, ou a misericórdia de Jeová.” O próprio nome da criança foi escolhido entre os mais significativos do povo de Deus.
Quais eram os filhos de promessa? Isaque, Sansão, Samuel, o filho da Sunamita, João e Jesus.
Orlando S. Boyer. Espada Cortante 2. Editora CPAD. pag. 23-24.
A aparição de um anjo ao seu pai, Zacarias, quando estava ministrando no templo, w . 8-11. Zacarias, o profeta, foi o último personagem do Antigo Testamento que conversou com anjos, e Zacarias, o sacerdote, o primeiro, no Novo Testamento. Observe:
1. Zacarias trabalhava a serviço de Deus (v. 8). Ele “exercia o sacerdócio, diante de Deus, na ordem da sua turma”; era a sua semana de trabalho, e ele estava trabalhando. Embora a sua família não estivesse formada, nem crescendo, ainda assim ele tinha a consciência de realizar o trabalho no seu próprio lugar e dia. Mesmo que não obtenhamos as bênçãos desejadas, ainda assim devemos realizar os trabalhos a nós atribuídos, e, na nossa realização diligente e constante, poderemos esperar que a misericórdia e o consolo virão, afinal. Coube a Zacarias oferecer o incenso pela manhã e à noite, pois aquela era a sua semana de trabalho, assim como a outros sacerdotes foram atribuídos outros trabalhos, da mesma maneira. Os trabalhos eram distribuídos por sorte, para que alguns não pudessem recusá-los e outros absorvê-los, e para que, tendo vindo do Senhor a distribuição, eles pudessem ter a satisfação de um chamado divino ao trabalho. Esta não era a queima de incenso do sumo sacerdote no dia da expiação, como alguns equivocadamente imaginaram, pensando, com isto, descobrir a época do nascimento do nosso Salvador; mas está claro que era a queima do incenso diário no “altar do incenso” (v. 11), que ficava “no templo” (v. 9), e não no lugar santíssimo, onde entrava o sumo sacerdote. Os judeus dizem que o mesmo sacerdote não queimava o incenso duas vezes todos os dias que lhe cabiam (havia muitos deles), pelo menos, nunca dentro da mesma semana. E muito provável que este fosse um sábado, porque havia uma “multidão” presente (v. 10), o que normalmente não acontecia em um dia de semana, e assim Deus honra o seu próprio dia. E mesmo que o Dr. Light foot conclua, com a ajuda dos calendários judeus, que esta ordem de Abias caía no décimo sétimo dia do terceiro mês, o mês Sivã, que corresponde a parte do mês de maio e parte do de junho, é bom que se observe que as passagens da lei e dos livros dos profetas que eram lidos, neste dia, nas sinagogas, estavam completamente de acordo com o que se estava fazendo no templo; especificamente, a lei dos nazireus (Nm 6), e a concepção de Sansão, Juízes 13. Enquanto Zacarias estava oferecendo incenso dentro do templo, “toda a multidão do povo estava fora, orando”, v. 10. O Dr. Lightfoot diz que estavam constantemente no templo, à hora da oração, os sacerdotes da turma que servia então; e, se fosse sábado, estariam também aqueles da turma que tinha servido na semana anterior, e os levitas que serviam sob a coordenação dos sacerdotes, e os homens do posto, como eram chamados pelos rabinos, que eram os representantes do povo, para impor as suas mãos sobre os sacrifícios, e muitos, além disto, movidos pela devoção, deixavam os seus trabalhos seculares, naquela ocasião, para estar presentes ao serviço a Deus. Todos eles formavam uma grande multidão, especialmente aos sábados e nos dias festivos. Todos eles oravam pelos seus sacrifícios (uma oração mental, pois a sua voz não era ouvida), quando, pelo soar de um sino, eles tomavam conhecimento de que o sacerdote tinha entrado para oferecer incenso. Observe aqui: (1) Que o verdadeiro Israel de Deus sempre foi um povo de oração; e a oração é a grande e principal parte do serviço pelo qual nós honramos a Deus, recebemos os seus favores e conservamos a nossa comunhão com Ele. (2) Que quando os rituais e cerimoniais estão acontecendo em toda a sua força, como neste caso, em que estavam oferecendo incenso, os deveres morais e espirituais devem acompanhá-los, sendo especialmente observados. Davi sabia que quando estivesse longe do altar, a sua oração poderia ser ouvida sem o incenso, pois podia ser apresentada diante de Deus como o incenso, Salmos 141.2. Mas, quando estivesse perto do altar, o incenso não poderia ser aceito sem a oração, pois isto seria semelhante a uma casca sem o seu conteúdo. (3) Que não é suficiente que nós estejamos onde Deus é adorado, se os nossos corações não acompanharem a adoração, e não acompanharem o ministro, em todas as partes do serviço. Ainda que ele queime tão bem o incenso, na oração mais pertinente, ponderada e vivaz, se nós não estivermos, ao mesmo tempo, orando em concordância com ele e de conformidade com ele, de que isto nos servirá? (4) Todas as orações que oferecemos a Deus, na sua casa, são aceitáveis e bem sucedidas, somente em virtude do incenso da intercessão de Cristo no templo de Deus, no alto. Parece haver uma alusão a este costume no serviço do templo (Ap 8.1,3,4), pois lemos que se fez silêncio no céu, assim como no templo, por quase meia hora, enquanto as pessoas estavam silenciosamente elevando os seus corações a Deus em oração, e que apareceu um anjo, o anjo do concerto, que ofereceu muito incenso com as orações de todos os santos diante do trono. Não poderemos nos beneficiar da intercessão de Cristo se não orarmos, e se não orarmos em nosso espírito, e continuarmos perseverando na oração. Nem podemos esperar que a melhor das nossas orações obtenha aceitação e traga uma resposta de paz, exceto pela mediação de Cristo, que vive para sempre, intercedendo por nós.
2. Quando estava trabalhando, Zacarias foi honrado com a presença de um mensageiro, um mensageiro especial, enviado a ele, vindo do céu (v. 11): “Um anjo do Senhor lhe apareceu”. Alguns observam que nós nunca lemos sobre um anjo aparecendo no templo, com uma mensagem de Deus, exceto este único, para Zacarias, porque Deus tinha outras maneiras de dar a conhecer a sua vontade, como Urim e Tumim, e por uma voz suave que saía entre os querubins; mas a arca e o oráculo não estavam no segundo templo, e, por isto, quando uma mensagem precisou ser enviada a um sacerdote do Templo, um anjo foi empregado para fazê-lo, e deste modo o Evangelho devia ser apresentado, pois ele, como a lei, foi entregue, a princípio, pelo ministério dos anjos, sobre cuja aparição nós lemos nos Evangelhos e no Livro de Atos. Mas o desígnio, tanto da lei quanto do Evangelho, trazido à perfeição, era estabelecer outro meio de correspondência, mais espiritual, entre Deus e o homem. Este anjo ficou “em pé, à direita do altar do incenso”, no seu lado norte - segundo o Dr. Lightfoot, à direita de Zacarias; compare com Zacarias 3.1, onde Satanás estava à direita de Josué, o sumo sacerdote, para se opor a ele; mas Zacarias tinha um anjo bom em pé, à sua direita, para encorajá-lo. Alguns pensam que este anjo apareceu, vindo do lugar santíssimo, o que o levou a estar em pé à direita do altar.
3. A impressão que a visita do anjo causou em Zacarias (v. 12): Quando Zacarias o viu, ficou muito surpreso, até chegou a sentir terror, pois “turbou-se, e caiu temor sobre ele”, v. 12. Embora ele fosse “justo perante Deus”, e irrepreensível na sua conduta, ainda assim ele não pôde deixar de sentir apreensão ao ver alguém cuja aparência e brilho adjacente evidenciava ser mais do que humano. Desde que o homem pecou, a sua mente é incapaz de suportar a glória de tais revelações e a sua consciência tem medo das más notícias que tais revelações lhe trazem; nem mesmo o próprio Daniel pôde suportá-la, Daniel 10.8. Por esta razão, Deus decide se comunicar conosco por meio de homens como nós mesmos, cujo terror não nos provocará medo.
A mensagem que o anjo tinha para lhe transmitir, v. 13. Ele começou a sua mensagem, de uma maneira como os anjos normalmente o faziam, utilizando a expressão “Não temas”. Talvez Zacarias nunca tivesse tirado a sorte de queimar incenso antes; e, sendo um homem muito sério e consciencioso, podemos imaginá-lo cheio de atenção para fazê-lo bem, e talvez, quando viu o anjo, ele tivesse sentido medo de que o anjo tivesse vindo para censurá-lo por algum engano ou falha; “Não”, diz o anjo, “não tenha medo, eu não lhe trago más notícias do céu”. Não tenha medo, mas acalme-se, mantenha um espírito equilibrado e sereno para receber a mensagem que eu tenho para lhe transmitir. Vejamos de que se trata.
1. As orações que ele sempre fazia, agora receberiam uma resposta de paz: “Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida”. (1) Se o anjo se refere particularmente à oração por um filho, para formar a sua família, devem ser as orações que Zacarias tinha feito anteriormente, pedindo esta bênção, na época em que ainda podia ter filhos; mas podemos supor que, como agora ele e sua mulher já tinham uma idade avançada, eles tivessem desistido de esperar por um filho, e tivessem deixado de orar pedindo esta bênção. Como naquela situação vivida entre o Senhor Deus e Moisés, a eles já lhes bastava, e não falaram mais a Deus sobre este assunto, Dt 3.26. Mas Deus, agora, ao conceder esta bênção, volta a considerar as orações que Zacarias tinha feito por tanto tempo, pela sua esposa, e com ela, assim como Isaque, pela sua, e com ela, Gn 25.21. Observe que as orações dos crentes são arquivadas no céu, e não são esquecidas, ainda que aquilo pelo que se ora não seja imediatamente concedido. As orações feitas quando somos jovens e recém chegados ao mundo podem ser atendidas quando estivermos velhos, e prestes a deixar o mundo.
Mas: (2) Se o anjo se refere às orações que Zacarias estava fazendo agora, e oferecendo com este incenso, podemos supor que elas estivessem de acordo com o seu dever neste lugar, pelo Israel de Deus e pelo seu bem estar, e pelo cumprimento das promessas que lhes feitas a respeito do Messias e da vinda do seu reino: “A tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho”, que será o precursor do Messias. Alguns dos próprios autores judeus dizem que o sacerdote, ao queimar o incenso, orava pela salvação de todo o mundo; e agora esta oração seria ouvida. Ou: (3) De modo geral, “As orações que você faz agora, e todas as suas orações, são aceitas por Deus, e formam um memorial diante dele” (como o anjo disse a Cornélio, quando o visitou em oração. Atos 10.30,31); “e este é o sinal de que você é aceito por Deus, Isabel dará à luz um filho”. Observe que é um grande consolo, para as pessoas que oram, saber que as suas orações são ouvidas; e são duplamente doces as bênçãos que são dadas em resposta a uma oração.
2. Ele terá um filho, na sua adiantada idade. Ele o terá com Isabel, sua esposa, que tinha sido estéril durante tanto tempo, para que por este nascimento que estava próximo de ser milagroso, as pessoas pudessem ser preparadas para receber e crer no nascimento de um bebê de uma virgem, que era algo completamente milagroso.
Ele recebe as instruções quanto ao nome que deve dar ao seu filho: “E lhe porás o nome de João”; em hebraico, Johanan, um nome que encontramos freqüentemente no Antigo Testamento: que quer dizer gracioso. Os sacerdotes devem suplicar ‘‘o favor de Deus” (Ml 1.9), e abençoar o povo, Números 6.25. Zacarias estava agora orando assim, e o anjo lhe diz que a sua oração foi ouvida, e ele terá um filho, que, como símbolo de que a sua oração foi ouvida, ele deverá chamar Gracioso, ou, o Senhor será gracioso, Isaías 30.18,19.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 510-512.
2. JOSÉ E MARIA.
A Mensagem do Anjo (1:26-33)
No sexto mês depois da concepção de Isabel, foi o anjo Gabriel enviado... a Nazaré (26). É óbvio que Lucas está escrevendo para gentios, pois nenhum judeu precisa ser lembrado de que Nazaré era uma cidade da Galiléia. Embora, como descendentes de Davi, tanto José quanto Maria chamassem Belém de terra de seus antepassados, eles estavam naquela época vivendo em Nazaré, que se situava a cerca de 130 quilômetros a nordeste de Jerusalém, em um planalto no lado norte do Vale de Esdraelom.
A uma virgem desposada com... José (27). Maria ainda era uma virgem, e estava noiva de José. Os noivados ou contratos de casamento entre os israelitas nos tempos bíblicos eram mais significativos e representavam um laço mais forte do que na atualidade. A lei mosaica considerava a infidelidade sexual por parte de uma jovem que fosse noiva como adultério, e ela era punida por esta transgressão (Dt 22.23-24). Freqüentemente existia um intervalo de meses entre o noivado e o casamento, mas ainda assim o noivado já representava um compromisso que só poderia ser rompido através do divórcio.5 Este último fato é exemplificado pela decisão de José de divorciar-se de Maria, antes de saber da natureza da sua concepção (Mt 1.19), embora ele e Maria ainda não estivessem casados.
Neste ponto, é bom lembrar que a narrativa de Lucas da anunciação e do nascimento de Jesus são feitos a partir do ponto de vista de Maria. Neste aspecto, a história difere do relato de Mateus, que é feito a partir do ponto de vista de José. É provável que Lucas tenha obtido esta informação direta ou indiretamente de Maria, quando ele passou dois anos na Palestina, enquanto Pedro estava na prisão em Cesaréia. Lucas também estava mais interessado em mostrar o relacionamento de Jesus com a humanidade através da Sua mãe, do que a Sua relação legal com o trono de Davi através de José, o seu pai oficial, embora não fosse o seu pai biológico.
Da casa de Davi se refere a José e não a Maria. A gramática do texto grego original e também a da versão em nosso idioma, exige esta interpretação. Mas isto não quer dizer que Maria não fosse descendente de Davi, pois os versículos 32 e 69 deste mesmo capítulo dão a entender fortemente que ela era da linhagem de Davi.
Entrando o anjo onde ela estava (28). Isto não foi um sonho nem uma visão, mas uma autêntica visita de um anjo. Salve. Esta é uma saudação com alegria. A palavra no original é o imperativo de um verbo que significa “alegrar-se” ou “ficar feliz”. A forma usada aqui é uma saudação normal. Seria o equivalente a: “Que a alegria esteja com você”.
Agraciada (literalmente, “com a graça”); bendita és tu entre as mulheres. O anjo a honrou pelo que ela iria se tornar, antes mesmo que ela soubesse o assunto das boas-novas. E certo que Maria deveria receber honra, e o anjo nos deu o exemplo. Mas a adoração a Maria é completamente injustificada. Maria, um mero ser humano, seria agraciada. Certamente, nenhuma graça maior seria demonstrada em relação a um mortal. Ela era verdadeiramente bendita, ou “elogiada” entre as mulheres, isto é, mais do que todas as outras mulheres.
Ela turbou-se muito com aquelas palavras (29) significa, literalmente, “ela ficou grandemente agitada”. Mas o versículo indica que foi a saudação, e não a presença do anjo, que a perturbou. O que ele lhe disse era mais difícil de entender do que a sua aparição e, aparentemente, mais inesperado. Ela considerava significa, literalmente, “ela estava pensando”. Isto representa uma prova de sua presença de espírito neste momento crítico da sua vida.
Em teu ventre conceberás, e darás à luz um filho... Jesus (31). Aqui temos o anúncio da Encarnação. O Filho de Deus realmente se tornaria carne, seria concebido e nasceria de uma virgem. Neste Filho a divindade e a humanidade estariam unidas de maneira inseparável. O seu nome, Jesus, significa “Salvador” ou, mais literalmente, “Jeová salva”. E o equivalente grego do hebraico “Josué”. Lucas não joga com as palavras na etimologia do nome “Jesus”, como faz Mateus. Os seus leitores, sendo gentios, não teriam entendido o objetivo das palavras “porque ele salvará o seu povo dos seus pecados” de Mateus 1.21, por não conhecerem a relação etimológica entre as palavras “Jesus” e “salvar”.
Este será grande (32), no seu sentido mais elevado e verdadeiro. Deus é grande, e toda a grandeza verdadeira vem dele e é reconhecida por Ele. Barnes acredita que essa frase é uma referência direta a Isaías 9.5-6.
Será chamado Filho do Altíssimo não quer dizer que Ele simplesmente “seria chamado” de Filho de Deus, mas é equivalente a “Ele não apenas será o filho de Deus, como também será reconhecido como tal”. Ele terá as marcas da divindade. Esta palavra hebraica era de uso comum, e literalmente equivalente a “Ele será o Filho do Altíssimo”.
O trono de Davi, seu pai. Evidentemente, isto deixa claro que Maria era descendente de Davi. Como muitos poderão argumentar, é verdade que o direito de Jesus ao trono viria através de José, apesar de não ser o seu verdadeiro pai. Mas aqui se menciona a filiação, e não se menciona José. Além disso, deve-se observar que Lucas está escrevendo a partir do ponto de vista de Maria; e também que o seu interesse pelas relações humanas de Jesus está ligado à relação verdadeira, e não àquela que era considerada legal entre os judeus.
Reinará eternamente na casa de Jacó (33). Isto é praticamente equivalente ao que está escrito na frase seguinte: O seu Reino não terá fim, exceto que a primeira enfatiza o aspecto judaico do reino. Lucas enfatiza muito claramente, em seu Evangelho, a universalidade do reino de Cristo; mas Paulo, que foi professor de Lucas, enfatizava a continuidade do reino de Israel - e da semente de Abraão - no reino de Cristo.8 A última é a flor e o fruto; a primeira é a videira.
A Pergunta de Maria (1.34)
Como se fará isso? (34) Não se trata de uma pergunta como produto da dúvida, mas da perplexidade e da inocência. Ela não está dizendo “Não pode ser”, mas pedindo uma explicação sobre como isso pode ser, e como será feito. Uma comparação superficial da pergunta de Maria com a expressão de dúvida de Zacarias (1.18) faria com que ambas parecessem muito similares. Um olhar mais detalhado sobre as duas perguntas irá provar conclusivamente que elas não se assemelham nem em significado, nem em espírito.
Zacarias perguntou: “Como saberei isso?”, querendo dizer, “Que sinal você vai me dar como prova de que isto irá acontecer?” Mas Maria perguntou “Como se fará isso?”, ou seja, que meios farão isso acontecer?
Existe ainda outra diferença que deve ser observada. O milagre que foi prometido a Zacarias era um caso normal de cura divina, aliado a uma capacitação divina de uma mulher para dar à luz em idade avançada. Isto realmente era um milagre. Mas a maravilha que foi prometida a Maria continua confundindo a imaginação dos maiores pensadores da igreja em todas as gerações. E nada menos do que o mistério da Encarnação divina - Deus se tornou carne.
3. A Resposta do Anjo (1.35-38)
Descerá sobre ti o Espírito Santo (35). O anjo respondeu amavelmente a pergunta que tinha sido feita de forma tão inocente. A resposta não esclarece o mistério: somente indica o agente. O Espírito Santo, como agente de Deus Pai, toma o lugar de um marido de alguma maneira não explicada - e talvez inexplicável. A pureza sagrada desta resposta pode ser vista na sua totalidade somente quando comparada com algumas das lascivas histórias das “escapadas românticas” dos deuses gregos. Aqui, na resposta do anjo, podemos ver o poder procriativo da mulher na sua mais completa pureza, unido à onipotência de um Deus amoroso e santo. Vemos delicadeza, significado e mistério unidos nas palavras a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Esta “cobertura com a sombra do Altíssimo” possivelmente inclui tanto o milagre da concepção quanto a supervisão, o cuidado e a proteção contínuos de Maria pelo Espírito Santo. Será chamado Filho de Deus não se refere à eterna filiação do Cristo pré-encarnado, mas sim ao milagre da Encarnação. Como Deus tomou o lugar de um pai terreno, Jesus pode ser chamado Filho de Deus da mesma forma que um menino é chamado de filho de seu pai.
Charles L. Childers. Comentário Bíblico Beacon. Lucas. Editora CPAD. Vol. 6. pag. 362-364.
«...como será isto...». Este versículo afirma a intenção do autor de ensinar o nascimento virginal de Jesus. Ver a nota detalhada sobre esse assunto em Luc. 1:27. Neste ponto começou o segundo estágio da experiência espiritual de Maria—a perplexidade. (Ver notas, no vs. 29, sobre os quatro estágios dessa experiencia: temor e perplexidade (vss. 29 e 34) e administração da graça divina e, finalmente, obediência (vss. 37 e 38).
O pronunciamento do anjo causou-lhe espanto, porque suas implicações eram gigantescas, e a perplexidade foi, aprofundada pelo pensamento, que Maria compreendeu pelo menos em parte, que aquele grande Filho haveria de nascer de uma virgem. Maria ficara perplexa ante o fato de que ela haveria de ser a progenitora do Messias davídico, e também porque isso era um anúncio virtual de que teria um filho antes da consumação de seu matrimônio, como ocorrência inteiramente desvinculada desse casamento.
Maria, mostrando-se digna representante das mulheres da mais profunda confiança no Senhor,—não requereu um sinal—ou qualquer espécie de confirmação, mas aceitou a declaração por um notável ato de fé. O vs. 45 afirma a sua crença: «Bem-aventurada a que creu, porque serão cumpridas as palavras que lhe foram ditas da parte do Senhor».
«...descerá sobre ti o Espirito Santo. ..»D iz Bengel, in loc: «O que denota a operação mais suave e gentil do poder divino, indicando que o fogo divino não consumiria a Maria, mas a tornaria frutífera». (Ver também Êx. 33:33 e Marc. 9:7). O mito clássico a respeito de Semele e Jove apresenta-o aparecendo a ela com o mesmo aspecto que ele tinha no mais alto céu, e o resultado foi que ela foi consumida pelo seu relâmpago, com todos os seus terrores e trovões. Mas aqui é prometida a Maria—a glória—do resplendor divino, porém para encobrir a Maria e servir-lhe de consolo, tal como uma nuvem que oculta os raios consumidores do sol. A referência a Deus Pai, com o titulo de «Altíssimo», é repetida neste caso. Ver a nota detalhada de explicação desse termo, no vs. 32.
«Filho de Deus». Embora esse apelativo tenha uma aplicação mais ampla do que apenas o nome de «Cristo», e talvez não contenha qualquer ideia de deidade, dependendo do contexto em que se encontra, aparece aqui para indicar uma relação toda especial com Deus—provavelmente a participação na mesma essência—assim ensinando indiretamente a divindade de Cristo.
Foi atribuído, sob diferentes circunstâncias a Israel, a reis e a sacerdotes, como título. Em algumas referências, quando Cristo está em foco, não há qualquer intenção de destacar essa relação especial com Deus ou com a natureza divina de Jesus. Se acompanhar o uso dessa expressão pelas páginas sagradas, haveremos de encontrar as seguintes declarações: 1. Jesus é identificado com o personagem profético do Messias davídico do V.T. 2. Reivindica uma relação especial, existente entre Jesus e Deus Pai. 3. Às vezes indica a natureza divina de Jesus, e até mesmo a perfeita união com o Pai (João 5:19,30; 16:32; Heb. 1:3,4). 4. Embora tenha sido inicialmente aplicada ao Messias davídico, posteriormente assume qualidades transcendentais e se torna um título de Jesus Cristo, com o intuito de indicar a sua natureza divina.
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 2. pag. 16.
A informação adicional que o anjo transmite a Maria, respondendo à sua pergunta a respeito do nascimento deste príncipe.
1. A pergunta que ela faz é apropriada: “Como se fará isto?”, v. 34. Como eu posso conceber um filho na atualidade (pois foi isto o que o anjo quis dizer), se eu “não conheço varão”? Deverá ser de outra maneira, e não pelo modo normal de concepção? Se for assim, diga-me “como se fará isto?” Ela sabia que o Messias devia nascer de uma virgem; e, se ela devia ser a sua mãe, ela queria saber como isto aconteceria. Estas não eram palavras resultantes da sua falta de confiança, ou de qualquer dúvida sobre o que o anjo lhe havia dito, mas de um desejo de receber mais orientação.
2. A resposta que ela recebe é satisfatória, v. 35. (1) Ela irá conceber pelo poder do “Espírito Santo”, cuja obra é santificar, e portanto, santificar a virgem, para este propósito. O Espírito Santo é chamado de “virtude do Altíssimo”. Ela pergunta “como se fará isto? Isto é suficiente para ajudá-la a superar as dificuldades que parecem existir. Um poder divino o realizará, não o poder de um anjo empregado para isto, como em outros milagres. Mas, o poder do próprio “Espírito Santo”. (2) Ela não deve fazer perguntas a respeito da maneira como isto se realizará, pois o Espírito Santo, sendo “a virtude do Altíssimo”, irá cobri-la “com a sua sombra”, como a nuvem cobriu o tabernáculo quando a glória de Deus tomou posse dele, para escondê-lo daqueles que poderiam - com excessiva curiosidade - observar o que acontecia, “bisbilhotando” os seus mistérios. A formação de cada bebê no útero, e a entrada do espírito da vida nele, são mistérios da natureza; ninguém conhece “o caminho do vento, nem como se formam os ossos no ventre da que está grávida”, Eclesiastes 11.5. Nós fomos formados no oculto, Salmos 139.15,16. A formação do menino Jesus é um mistério ainda maior, sem controvérsia, “grande é o mistério da piedade”, Deus manifestado em carne, 1 Timóteo 3.16. E uma coisa nova criada na terra (Jr 31.22), a cujo respeito nós não devemos cobiçar conhecer além do que está escrito.
(3) A criança que ela irá conceber é santa, e portanto não deve ser concebida da maneira normal, porque ela não deverá compartilhar da corrupção e da contaminação comuns à natureza humana. O bebê é mencionado enfaticamente como “o Santo”, como nunca houve; e Ele será chamado de “Filho de Deus”, como o Filho de Deus por geração eterna, o que indica como Ele será formado pelo Espírito Santo, nesta concepção. A sua natureza humana deveria ser produzida desta maneira, como era adequado que fosse, pois se uniria à natureza divina.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 517.
III - O NASCIMENTO DE JESUS E OS CAMPONESES
1. A NOBREZA DOS POBRES.
No Novo Testamento encontramos uma espécie de modificação nas atitudes diante das questões econômicas em geral e da pobreza em particular. Ali o estado abençoado por Deus parece envolver a adversidade, e não a abundância material, porquanto os primeiros discípulos de Jesus foram homens perseguidos, e, naturalmente, empobrecidos.
a. «Bem-aventurados vós os pobres...» é a declaração simples de Luc. 6:20. O evangelho é anunciado aos pobres (Luc. 4:18). Mateus, contudo, qualifica essa pobreza, dizendo: «Bem-aventurados os humildes (pobres) de espírito...» (Mat. 5:3), o que é uma óbvia interpretação da declaração original de Jesus, a qual foi mais originalmente preservada por Lucas. Todavia, estaríamos equivocados se pensássemos que Jesus via qualquer bem-aventurança na pobreza, em si mesma. Antes, visto que o seu evangelho parecia ser mais eficaz entre as classes pobres, embora não tão eficaz entre as classes mais abastadas, tornaram-se termos paralelos «pobre» e «espiritualmente bem-aventurado».
b. Jesus reconheceu o caráter permanente da pobreza entre os povos do mundo (ver Mat. 26:11; Mar. 14:7; comparar com Deu. 15:11), embora isso não signifique que ele fosse indiferente para com os sofrimentos causados pela pobreza material.
c. A vida espiritual é viável mesmo em meio à pobreza (Mar. 12:42 ss; Tia. 2:2-5); mas Paulo interessava-se em que os crentes trabalhassem e tivessem o suficiente, de modo a não encontrarem obstáculos em sua atuação cristã, o que ele exemplificou com os seus esforços pessoais (ver II Cor. 9:8). O próprio apóstolo dos gentios sabia o que era desfrutar de abundância e o que era sofrer privações, e continuava atuando no evangelho sob ambas essas condições (ver Fil. 4:12).
d. Os cristãos primitivos foram ensinados a não se sentirem imunes à pobreza (Rom. 15:26; Gál. 2:10).
e. Os crentes deveriam ajudar aos pobres (Mat. 19:21; II Cor. 8:2 ss; I João 3:17 ss).
f. Aqueles que ajudam meramente de palavra, mas não em ação, são hipócritas (Tia. 2:15 ss). Viver segundo a lei do amor é a grande prova da espiritualidade, e um aspecto disso é a ajuda prestada aos pobres. Ver I João 4:7,8; II Cor. 8:2 ss .
g. O favoritismo no seio da Igreja, com base na prosperidade econômica, é proibido aos crentes (Tia. 2:5-9).
h. O ofício eclesiástico dos diáconos (vide) veio à existência devido à pobreza entre a classe das viúvas (Atos 6:1-7).
i. A Igreja primitiva, em Jerusalém, experimentou o comunismo (partilha dos bens materiais em comum), embora sobre bases voluntárias. Aqueles que quisessem participar da experiência podiam fazê-lo, e aqueles que preferiam manter suas propriedades privadas, e não quisessem participar, não eram forçados a fazê-lo. Essa experiência foi ocasionada por uma extrema pobreza causada pela perseguição, que envolvia somente os crentes e não era nenhuma decisão nacional de estabelecer uma forma diferente de governo (Atos 4:34 ss). Essa experiência foi eficaz dentro das circunstâncias particulares do momento mas não se tornou um padrão a ser seguido pela Igreja em geral, como também a história deixa claro.
j. A abundância material pode ser prejudicial à fé religiosa e destrutiva da piedade, conforme afirmaram tanto Jesus (ver Mat. 19:24) e Tiago (Tia. 5:1 ss). O texto da epístola de Tiago deixa claro que os ricos, que assim sendo, têm poder, tornam-se abusivos, injustos, arrogantes, negligentes espiritualmente, participando de prazeres pecaminosos destrutivos.
1. A raiz de todas as formas de mal é o amor ao dinheiro (I Tim. 6:10). Mas alguém já alterou essa declaração para a que segue: «A falta de dinheiro é a raiz de toda espécie de males». Isso também exprime uma verdade, em certos casos.
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 2. pag. 307.
Evangelizar os pobres (18), ou “pregar o evangelho aos pobres”. O termo evangelho significa “boas-novas” ou “boas notícias”. Os pobres pareciam mais dispostos a ouvir Jesus. As suas necessidades faziam com que eles se voltassem para o Salvador. Ninguém, rico ou pobre, consegue encontrar Jesus até que perceba sua destituição espiritual, busque a Cristo, e confesse a Ele as suas necessidades.
Charles L. Childers. Comentário Bíblico Beacon. Lucas. Editora CPAD. Vol. 6. pag. 387.
Por isso, a segunda coisa que Jesus diz para caracterizar a proclamação que lhe fora confiada é que ela precisa ser levada aos pobres, aos pedintes e mendicantes, i. é, aos que se encontram fracos e com o coração deprimido, prostrando-se por isso em súplica perante Deus, uma boa mensagem que alegra justamente a estes. – Por isso, lemos no v. 18:
Ele me enviou para evangelizar aos indigentes.
A expressão “indigente” refere-se aos materialmente pobres e que se tornaram também interiormente pobres pelo Espírito Santo (cf. Comentário Esperança, Mateus, o exposto sobre Mt 5.3, p. 76s). Aqueles que têm consciência dessa sua miséria (cf. a primeira bem-aventurança do Sermão da Montanha) são receptivos para a boa nova da graça. “Jesus não se considera enviado aos que acreditam que não precisam de ajuda nem de quem os auxilie, mas àqueles que sofrem com a própria situação e com a situação do mundo, esperando por socorro. É para estes que a mensagem de Jesus é notícia alegre”, diz um comentarista. O fato de que as ilustrações são retiradas da esfera social, anunciando primeiro aos indigentes e desprezados na vida a salvação e alegria, não constitui apenas uma predileção de Lucas, mas está profundamente embasado em toda a revelação de Deus com tal, porque representava a vinda de Deus aos humanos. Não obstante Lucas não perde nenhuma oportunidade para dar destaque especial a esse aspecto. Afinal, não há melhor forma de retratar a graça do que pela condescendência com o que não é nada.
Fritz Rienecker. Comentário Esperança Evangelho de Lucas. Editora Evangélica Esperança.
2. A REALEZA DO MESSIAS.
O nascimento do Cristo dos magos, mas não o Cristo da magia.
Não há consenso entre os intérpretes sobre a real identidade dos magos do Oriente. Os antigos pais da igreja viam nessa visita dos magos ao recém-nascido Jesus, a astrologia e a magia se curvando perante a sua majestade e sabedoria. A estrela de Cristo brilhou no coração desses magos.
Infelizmente o Cristo que está sendo festejado hoje não é mais o Cristo dos magos, mas o Cristo da magia. A magia não está mais restrita às seitas esotéricas, mas pode também ser encontrada em muitos cultos evangélicos! A água e a rosa ungida, o lenço ungido, e uma infinidade de outros apetrechos e penduricalhos religiosos oriundos do judaísmo antigo são um testemunho vivo desse misticismo evangélico.
O nascimento do Cristo dos pastores, mas não o Cristo dos mercenários “Ora, havia, naquela mesma comarca, pastores que estavam no campo e guardavam durante as vigílias da noite o seu rebanho. E eis que um anjo do Senhor veio sobre eles, e a glória do Senhor os cercou de resplendor, e tiveram grande temor. E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo, pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos será por sinal: achareis o menino envolto em panos e deitado numa manjedoura. E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas alturas, paz na terra, boa vontade para com os homens! E aconteceu que, ausentando-se deles os anjos para o céu, disseram os pastores uns aos outros: Vamos, pois, até Belém e vejamos isso que aconteceu e que o Senhor nos fez saber. E foram apressadamente e acharam Maria, e José, e o menino deitado na manjedoura” (Lc 2.8-16).
Esse texto mostra a celebração que esses pastores fizeram por ocasião do nascimento de Jesus. Houve muita alegria entre aqueles camponeses. Deus em sua grandeza contemplou os pequenos!
José Gonçalves. Lucas, O Evangelho de Jesus, o Homem Perfeito. Editora CPAD. pag. 28-29.
«...nasceu na cidade de Davi...». Aqui encontramos o paradoxo da encarnação. Quão estranhamente se combinam as palavras destes versículos: «...o Salvador...Cristo, o Senhor...uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura... Essas frases têm sido ouvidas e lidas tão freqüentemente que a primeira impressão deixada por elas já se embotou para muitos. Não obstante, por si mesmas devem ter parecido a princípio impossíveis e inacreditáveis. Seria uma manjedoura lugar próprio para aquele que foi enviado pelo Deus altíssimo? Um estábulo seria o lugar onde se esperaria encontrar o Salvador recém-nascido? No entanto, o mistério e a maravilha da encarnação se fazem presentes precisamente no fato que essas coisas assim aconteceram. Pois por ocasião do nascimento de Jesus, em Belém, e em tudo que a vida de Jesus haveria de revelar posteriormente, encontramos a mensagem de que não somente existe Deus, mas também que Deus se aproxima extraordinariamente de nós. Crer que Deus está acima de nós é uma coisa. Crer que Deus é uma força suficiente para nós é uma confiança inteiramente diferente, inspiradora. E crer que Deus é não somente todo-poderoso, mas também se mostra todo-suficiente, e é Deus conosco, Deus próximo de nós, é algo que nem podemos começar a compreender, e é a melhor de todas as coisas» (Walter Russel Bowie, in loc.).
Naturalmente que devemos observar, em companhia de quase todos os comentaristas das Escrituras, que—a humildade do nascimento—de Jesus concorda com a posição por ele ocupada na vida, e com as suas maneiras. E também se coaduna com aqueles para quem veio ministrar. Ele tratava com as pessoas em suas ocupações ordinárias, trabalhou como carpinteiro, falava sobre mulheres que teciam e amassavam a massa, sobre o semeador em seu trabalho de semeadura, e sobre os pastores que vigiavam os seus rebanhos. Jesus cresceu como todo homem deve crescer, e desenvolveu-se como todo homem deveria fazê-lo. Aprendeu a andar com Deus, e, na qualidade de homem, desenvolveu grandes poderes espirituais. Jesus foi, ao mesmo tempo, o caminho e o indicador do caminho. E do modo como ele andou também nos compete andar; e assim como ele compartilhou plenamente de nossa natureza, assim também haveremos de compartilhar plenamente da dele. (Ver a nota sobre a humanidade de Cristo e sua importância para nós, em Fil. 2:7, bem como a transformação de nossa natureza na dele, em Rom. 8:29 e Efé. 1:23).
«Existem alguns trechos, nas Escrituras, onde as palavras Cristo e Senhor aparecem juntas. No cap. 23:2 temos Cristo, o Rei, e em Atos 2:36 encontramos Cristo e Senhor. E não vejo outra maneira de compreender a palavra ‘Senhor’ senão como um paralelo do termo hebraico Jeová» (Alford, in loc., apoiado por outros comentaristas e intérpretes, como Wordsworth). A conexão entre Cristo e Senhor também ocorre em Col. 3:24. O povo, ao tempo do império romano, acostumara-se a intitular o imperador de «Salvador»; mas os cristãos aplicam esse titulo a Jesus Cristo. Muitas dificuldades e perseguições houve contra os cristãos, por causa dessa doutrina.
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 2. pag. 29.
Qual era a mensagem que o anjo deveria transmitir aos pastores, w. 10-12.1. Ele ordena que os seus temores sejam suspensos: “Não temais”, pois eu não tenho nada a dizer que vocês precisem temer; vocês não devem temer os seus inimigos, e nem temer os seus amigos. 2. Ele lhes traz uma notícia que lhes causará muita alegria: “Eis aqui vos trago novas de grande alegria”.
Eu declaro isto solenemente, e vocês têm razão para receber bem esta notícia, pois ela trará alegria a todo o povo, e não somente ao povo dos judeus. “Na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor” (v. 11); o Salvador que há tanto tempo é esperado. Jesus é o Cristo, o Messias, o Ungido; Ele é o Senhor, o Senhor de tudo; Ele é um príncipe soberano; ou melhor, Ele é Deus, pois o Senhor, no Antigo Testamento, significa Jeová. Ele é o Salvador, e será o Salvador somente para aqueles que o aceitarem como seu Senhor. Nasceu o Salvador, nasceu hoje; e, como isto é motivo de grande alegria para todo o povo, não deve ser mantido em segredo, vocês podem proclamá-lo, podem contar a quem quiserem. Ele nasceu no lugar onde estava predito que Ele nasceria, “na cidade de Davi” ; e Ele nasceu para vocês; a vocês, judeus - Ele é enviado, em primeiro lugar, para abençoar vocês; a vocês, pastores, ainda que sejam pobres e humildes no mundo. Isto se refere a Isaías 9.6, “Um menino nos nasceu, um filho se nos deu” . A vocês, homens, não a nós, anjos; Ele não assumiu a natureza dos anjos. E é motivo de alegria, realmente, a todo o povo, uma grande alegria. Aquele que foi esperado por tanto tempo veio afinal. Que o céu e a terra se alegrem diante do Senhor, pois Ele veio. 3. Ele lhes dá um sinal para a confirmação da sua fé nesta notícia. “Como vocês irão encontrar esta criança em Belém, que agora está cheia de descendentes de Davi? Vocês o encontrarão com este sinal: “achareis o menino envolto em panos e deitado numa manjedoura”, onde certamente nenhum recém-nascido jamais esteve”. Eles esperavam ouvir “Vocês o encontrarão (embora seja bebê, envolto em mantos, e deitado na melhor casa da cidade), deitado com pompa, com uma grande quantidade de criados vestidos com ricos uniformes”. E não, “achareis o menino envolto em panos e deitado numa manjedoura”. Quando Cristo estava aqui, na terra, Ele se distinguia e se notabilizava tanto pelo seu poder, como pelos exemplos da sua humilhação.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 529.
Vos nasceu hoje... o Salvador (11). Esta é a palavra favorita de Lucas e também do seu companheiro Paulo. Os termos “Salvador” e “salvação” aparecem mais de quarenta vezes nos seus escritos, ao passo que aparecem raramente nos outros livros do Novo Testamento. Não é apenas o fato da chegada do Salvador que constitui as boas-novas da mensagem do anjo, mas a natureza da Sua salvação. Embora os pastores pudessem provavelmente ter interpretado aquela salvação como sendo material e política, todo o Novo Testamento é inequívoco na sua interpretação como sendo moral e espiritual. O bebê anunciado pelos anjos seria o Salvador que os libertaria do pecado.
Fica claro que os anjos desejavam que os pastores fossem e vissem o Salvador, pelo fato de que lhes indicaram o lugar - a cidade de Davi, a própria cidade deles. Além disto, o anjo lhes deu um sinal para que pudessem identificar o Salvador.
Charles L. Childers. Comentário Bíblico Beacon. Lucas. Editora CPAD. Vol. 6. pag. 372.
IV - O NASCIMENTO DE JESUS E O JUDAÍSMO
1. JUDEUS PIEDOSOS.
Simeão: o cântico de Simeão. Encontramos aqui mais informações extraídas do material «L». (Ver notas sobre as fontes informativas dos evangelhos no artigo da introdução ao comentário intitulado O Problema Sinóptico, bem como na introdução a este evangelho, onde há discussões mais detalhadas sobre as fontes informativas específicas do evangelho de Lucas).
Simeão era nome bem comum, e com esse nome figuram diversos personagens bíblicos bem conhecidos. Alguns têm pensado que esse Simeão tivesse sido filho dó famoso rabino Hilel e pai de Gamaliel, mencionado em Atos 5:34, e que foi o mestre de Saulo de Tarso. Acerca disso não possuímos qualquer informação segura. Mas os pormenores com que contamos são suficientes em si mesmos. Simeão era homem justo, piedoso, devoto (palavra empregada somente por Lucas, neste ponto, e em parte alguma do N.T. encontrada além desta passagem; significa temente a Deus, e os seus cognatos podem ser encontrados em Heb. 4:5-7 e 12:28. Quando aplicada a questões religiosas enfatiza o elemento da circunspecção, da cautela, da observância cuidadosa dos preceitos divinos, e por isso mesmo expressa muito bem a ideia da piedade, segundo é retratada no V.T., com suas muitas leis e ordenanças. Ver também Atos 2:5). Esse homem, pois, esperava a consolação de Israel, o que é uma referência direta à promessa e às profecias messiânicas. Pelo texto também ficamos sabendo que ele recebeu uma revelação especial para entender aquele acontecimento, e que o mesmo deveria estar bem próximo. (Ver os vss. 35 e 30). O vs. 35 indica, igualmente, que ele percebeu que o sofrimento faria parte do destino do Messias, tanto quanto a glória; mas essa glória futura do Messias não é omitida. Se Simeão entendeu ou não perfeitamente tudo quanto estava envolvido nessas profecias, não sabemos dizer; mas o mais certo é que ele não percebia todo o seu alcance. Lemos, na história, que Simeão não era o único a esperar pelo Messias, naqueles dias, pois através da leitura das profecias de Daniel, tal como aquela encontrada em Dan. 9:26, um remanescente esperava o cumprimento das promessas messiânicas justamente no tempo de Jesus Cristo.
Algumas lendas se têm desenvolvido em torno da pessoa de Simeão, como no caso de muitas outras histórias presas ao Antigo ou ao Novo Testamentos, onde realmente não possuímos qualquer informação sólida que esclareça as identidades. Entretanto, o evangelista teve o cuidado de tornar conhecida a identidade desse homem quanto ao seu estado espiritual, embora não nos informasse sobre as suas circunstâncias humanas. A inscrição na lápide de um soldado, no estado de Virgínia, nos Estados Unidos da América do Norte, expressa a mesma ideia, ao dizer: «Quem foram eles, ninguém sabe; que foram eles, todos sabem».
«Revelara-lhe o Espírito Santo...». Certa passagem, em Eyth. Zig,, menciona uma tradição com esse sentido; mas provavelmente não é uma tradição separada, mas apenas uma tradição que procura ornar o texto. Sabemos tão-somente que Simeão gozava de uma presença especial do Espírito Santo e sua orientação, análoga àquela forma superior de vida espiritual que, em dias mais antigos, era expressa pela expressão «andar com-Deus». Lucas indica que, por causa dessa unção especial do espírito,
Simeão foi conduzido ao templo naquele dia particular, e que reconheceu ao Cristo. Tudo isso parece indicar alguma forma especial de manifestação do Espírito Santo em sua vida. Não lemos que a Simeão tivesse sido revelado qualquer coisa sobre Jesus, sobre as narrativas acerca de seu nascimento, sobre o milagre de sna concepção virginal ou sobre as visitações angelicais; não obstante, reconheceu a identidade da criança. Bengel observa a doce antítese que aqui aparece entre dois espetáculos, o fato de ter visto «o Cristo do Senhor», antes que ele «visse a morte». Lange observa admiravelmente que «Simeão, no sentido mais nobre do termo, é o eterno judeu do Velho Pacto que não pode morrer antes de ter visto o Messias prometido. Foi-lhe permitido dormir na paz de seu Senhor, antes da crucificação dele».
A expressão «o Cristo do Senhor » é um título judaico, anterior ao cristianismo, que significa «o Messias de Deus», isto é, o ungido de Deus.
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 2. pag. 33.
Que personagem maravilhoso, esse Simeão! Quem era ele? O texto diz: “Ele era um homem”. A julgar pela narrativa, era um ancião, talvez desconhecido entre as pessoas, porém bem conhecido de Deus. Quase poderíamos dizer que ele aparece no relato de Lucas à semelhança de Melquisedeque, sem que sejam mencionados pai, mãe, genealogia, o começo ou fim da vida (Hb 7.3).
Simeão é um representante para muitas almas tementes a Deus. Sua justiça consistia na fiel observância da lei, e seu temor a Deus em um reverente respeito à sublimidade e santidade de Deus. Por reconhecer que era impossível cumprir por si próprio a lei de Deus, tinha anseio por consolo e paz. Era algo que somente o Messias prometido poderia propiciar-lhe. Por essa razão, seu temor a Deus transformava-se cada vez mais em espera pelo consolo de Israel. Porém, sSua espera foi longa, até a idade de ancião.
“Prosdéchomai” não significa esperar, mas aguardar. Aguardar diz respeito a uma espera bem específica, i. é, a pessoa que espera dirige o olhar e toda a atenção àquilo que vem, que há de suceder. Prosdechomai ocorre para Simeão, no v. 25, e para Ana e os “humildes na cidade de Jerusalém”, no v. 38.
Esse aguardar faz parte do amadurecimento de toda a verdadeira espiritualidade. O servo que aguarda é sempre o servo mais fiel.
De onde vem a expressão “consolação de Israel”? Talvez essa expressão evoque Is 40.1ss.
Assim como a igreja do Novo Testamento exclamará, com vistas à vinda plena de Cristo, de forma cada vez mais alta e insistente: “Amém! Vem, Senhor Jesus!” (Ap 22.20), assim também a prece pela vinda do Cristo se torna cada vez mais insistente. A profunda vergonha do povo de Israel impelia as pessoas mais sérias e compenetradas a aprofundarem-se na Escritura, a pesquisar se, afinal, não chegaria em breve o tempo em que o Senhor se compadeceria de seu povo. Quem dava atenção a Gn 49.10 e Daniel 9.24, podia considerar plausível a ideia de que o Senhor viria em breve.
Mas aquilo que acontecera com o sacerdote Zacarias causara um impacto peculiarmente profundo naqueles que há não muito tempo o viram sair do templo em Jerusalém. Esse impacto acelerou poderosamente a expectativa. Entre essas pessoas pode ter estado também Simeão, com seu coração sensível.
Em Zacarias, Isabel e Maria já ressurgira o despertar do Espírito profético. Simeão e Ana parecem ter sido impelidos por mais tempo pelo Espírito profético. O Espírito Santo é também um Espírito de oração. Simeão era um orador tenaz e devotado.
Ele havia obtido a bendita certeza interior de que não morreria sem ter visto o Cristo do Senhor. Como essa resposta deve ter dado asas a seu anseio! Como seu olhar deve ter buscado o Cristo do
Senhor, a consolação de Israel, desde então! De acordo com o texto, no entanto, Simeão provavelmente procurara um homem, e não um menino.
Fritz Rienecker. Comentário Esperança Evangelho de Lucas. Editora Evangélica Esperança.
«...Ana, filha de Fanuel...». O vocábulo profetisa se encontra exclusivamente aqui e em Apo. 2:20. Essa mulher, como é evidente, era conhecida como alguém que fazia declarações eloquentes ou que, de algum outro modo, demonstrava possuir o dom profético. Quanto a isso, porém, nada sabemos, tal como nada sabemos acerca dela além do que aqui somos informados. É notável que o nome de seu pai e não de seu esposo, tenha sido dado; contudo, é bem possível que Lucas estivesse interessado em tais detalhes. Esta mulher traz o nome do fundador da Escola dos Profetas, idêntico aos nomes que as lendas dos evangelhos apócrifos atribuem à mãe de Maria, mãe de Jesus. Todavia, no tocante à autenticidade dessas lendas, não podemos ter conhecimento seguro.
«...tribo de Aser...», uma das dez tribos de Israel, diversas famílias da qual retornaram terminado o cativeiro babilônico (ver II Reis 17:6), e dessa forma não se perdeu inteiramente. Alguns de seus membros sobreviveram e preservaram suas genealogias. «Essa tribo tinha por território sede a Galiléia; pelo que, embora os judeus negassem que qualquer profeta procedesse dali, contudo, parece que uma profetisa procedeu dali» (John Gill, in loc.).
«... vivera com seu marido sete anos desde que se casara... » Mas o original grego ainda é mais enfático, conforme diz a tradução portuguesa AA, «...desde a sua virgindade...» Diversos fatos são asseverados: ela era virgem quando se casou; viveu sete anos com seu marido; não se casou pela segunda vez; e a razão disso é dada no vs. 37—dedicar-se à oração e às atividades no templo, em adoração ao Senhor.
«...era viúva de oitenta e quatro anos...» Diversas traduções lhe outorgam a idade total de oitenta e quatro anos, no que são acompanhadas por muitos intérpretes; mas existem outras traduções (como a tradução AA, em português), que atribuem essa idade à duração de sua viuvez. Pelo texto grego, não é certo o sentido tencionado. A lei judaica mais antiga permitia que uma jovem se casasse a partir dos doze anos de idade. Nesse caso, se Ana era viúva a oitenta e quatro anos, então já estaria com nada menos de cento e três anos de idade, tendo enviuvado aos dezenove anos de idade; e então, a partir desse tempo, teria vivido da maneira piedosa, devota, dedicada à oração, conforme é descrito nestes versículos. Não há que duvidar que era mulher bem conhecida no templo e ao redor do mesmo, reputada como mulher de profunda piedade. Uma famosa viúva, que aparece nas lendas apócrifas dos judeus, teria vivido até à idade de cento e cinco anos (ver Judite 16:23). Algumas traduções fazem alusão a essa mulher, dizendo que ela teria criado Maria, orientando-a no princípio de sua vida; mas acerca disso também não temos qualquer informação segura.
«...chegando naquela hora, dava graças a Deus...» O texto indica que Ana chegou no momento exato da apresentação, e então, mediante o espírito profético, não menos admirável do que no caso de Simeão, e acrescentando ainda maior motivo de admiração por parte de todos, ela começou a falar sobre a grandeza da criança que estava no meio deles, e passou a proclamar aos piedosos essas mesmas coisas. Ana deu prosseguimento ao tema, no ponto onde Simeão parara. Havia certo número de pessoas que aguardava a revelação do Messias, e foi nessa oportunidade, para essa gente que vivia em Jerusalém ou fora da cidade, que Ana propalou tais noticias. O Cristo menino, que recebera tais honrarias da parte de Simeão e de Ana, pouco antes recebera honras idênticas da parte dos visitantes provenientes do oriente (segundo está descrito no segundo capitulo do evangelho de Mateus, ainda que essa narrativa não possa ser encontrada nos demais evangelhos), ou pouco depois haveria de receber tais visitantes. Considerando-se todas essas ocorrências, tudo isso deve ter servido de experiência extremamente incomum e significativa para José e Maria; mas as notícias logo se propagaram, e muitos participaram da atmosfera sobrenatural que acompanhou aqueles primeiros lances da vida de Jesus. Se os pronunciamentos originais da idosa Ana foram feitos no momento da oração diária no templo, sem dúvida ela teria contado com uma audiência natural para quem dirigir a palavra. Alguns manuscritos posteriores dizem Israel ao invés de Jerusalém, ampliando a área da proclamação feita pela profetisa; mas o texto original sem a menor dúvida diz mesmo «Jerusalém».
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 2. pag. 35.
E estava ali a profetisa Ana (36). Sabemos o nome do seu pai, a tribo de Israel à qual ela pertencia, a sua idade e que ela vivia no templo. Também sabemos que ela era viúva, e sabemos por quanto tempo tinha estado casada quando o seu marido morreu - tudo isto, além de sua vida devota e de seu ministério profético. Isto representa um contraste razoável com a quase completa falta de informações sobre Simeão.
E, sobrevindo na mesma hora, ela dava graças a Deus (38). Simeão ainda estava segurando o Bebê quando Ana entrou. Ela deu graças imediatamente, confirmando a sua visão profética. Falava dele a todos os que esperavam a redenção em Jerusalém. Não temos o teor da sua mensagem, mas fica implícito que ela falava do Seu ministério messiânico. Como no caso de Simeão, a redenção - a salvação - era a sua principal ênfase.
Por intermédio de Zacarias, Isabel, os pastores, Simeão, Ana e outros, as boas-novas sobre o Salvador estavam se espalhando. E significativo que Deus só tenha revelado essas boas-novas àqueles que tinham a qualificação espiritual adequada para uma revelação tão sublime.
Barclay encontra nesta passagem uma história comovente de “Uma das pessoas quietas na terra”. Aqui está uma mulher a quem Deus se revelou. Que tipo de pessoa era ela? 1) Embora tivesse conhecido a tristeza, ela não era amargurada; 2) Embora tivesse idade, não tinha perdido a esperança; 3) Nunca deixou de adorar na casa de Deus; 4) Nunca deixou de orar.
Charles L. Childers. Comentário Bíblico Beacon. Lucas. Editora CPAD. Vol. 6. pag. 376.
Ana... da tribo de Aser (v.36): A dedicação de Ana toma-se ainda mais destacada ao lembrarmo-nos de que a tribo de Aser era uma das dez que Deus, em razão da sua apostasia, tirara de diante da Sua presença, 2 Rs 17.18-23. Muitas pessoas das dez tribos não foram levadas ao cativeiro, e diversas se uniram ajudá depois do cativeiro em Babilônia. Ana servia como outra testemunha do fato que se aproximava o tempo de Deus derramar Seu Espírito sobre toda a carne.
Era já avançada em idade (v.36): Tinha vivido com seu marido sete anos, e tinha passado oitenta e quatro anos na sua viuvez. Portanto, se casara muito nova, com a idade de doze anos, tinha, neste tempo, 103 anos de idade. Servindo a Deus em jejuns e orações de noite e cie dia (v.38): Vê-se no fato de Deus dar lugar para esta história nas Escrituras, a importância da obra que a idosa Ana realizava. Não há, entre o povo de Deus, um de Seus filhos que Ele considere inutilizado e aposentado, Lv 19.32; Pv 16.31. Como o orador experiente e eloquente finda seu discurso com o ponto mais comovente, assim o crente experimentado e ardente finda sua longa vida na terra transmitindo ao próximo as verdades mais vivas, as quais vai em breve presenciar.
Orlando S. Boyer. Espada Cortante 2. Editora CPAD. pag. 46-47.
2. RITUAIS SAGRADOS.
O nascimento de Jesus no contexto judaico
Por ocasião da redação do terceiro Evangelho, a igreja já tinha dado os seus primeiros passos. Uma das primeiras polêmicas no seio da igreja surgiu por conta da disputa entre judeus e gentios. Isso motivou a instauração do primeiro concilio da igreja que ocorreu em 49 d.C. Esse concilio, liderado pelos apóstolos, ocorreu em Jerusalém e tinha como objetivo se opor aos esforços dos judaizantes, conforme registrado no livro de Atos cap. 15.
Não há dúvida de que um dos propósitos de Lucas, como já foi assinalado, era mostrar que o cristianismo não era uma seita judaica sem nenhum nexo com a cultura judaica. Suas raízes eram de origem judaica. Ele era a continuação e plenitude da revelação de Deus conforme se encontrava registrada nas Escrituras hebraicas. Lucas, portanto, estava “interessado em delinear a relação entre o cristianismo e o judaísmo. A maneira pela qual ele tratou desse assunto é determinada pela brecha enorme que já separava essas duas religiões em épocas em que escreveu. Isso levou-o a (1) estabelecer a continuidade entre o cristianismo e a história redentora judaica, e (2) mostrar como a alienação entre os dois movimentos ocorreu”.
Os relatos históricos da infância de Jesus têm como objetivo estabelecer esse vínculo entre a fé judaica e a fé cristã. Os relatos da circuncisão de Jesus (Lc 2.21), a sua apresentação no Templo (Lc 2.22-24) atendem ao mesmo fim. Da mesma forma os relatos de Simeão e Ana como judeus piedosos e a presença de Jesus no Templo com 12 anos de idade, sem dúvida servem para mostrar que o cristianismo não surgiu à parte do judaísmo, mas que suas raízes se originaram deste.
José Gonçalves. Lucas, O Evangelho de Jesus, o Homem Perfeito. Editora CPAD. pag. 33-34.
«...circuncidado o menino, deram-lhe o nome Jesus...» Uma vez mais vemos que uma criança recebe nome por ocasião de sua circuncisão. Quanto a uma explicação completa a esse respeito, bem como acerca do sentido e da história do rito da circuncisão, ver as notas em Luc. 1:59. «Jesus». Quanto a uma nota sobre o sentido desse nome, ver Luc. 1:31. Lucas teve o cuidado de salientar que esse nome foi dado de acordo com a proclamação angelical (1:31).
«..purificação deles...» Alguns manuscritos, principalmente o códex (D) dizem dela, referindo-se à purificação de Maria após o parto, e isso é seguido por algumas traduções, tal como a KJ; mas essa alteração de «deles» para «dela» foi efetuada a fim de fazer o texto conformar-se à regulamentação de Lev. 12:6. Assim sendo, quase todos os mss e traduções dizem «deles». Após o parto, a mulher ficava cerimonialmente impura (separada da adoração formal) durante quarenta dias, se o filho fosse do sexo masculino, e durante oitenta dias, se fosse uma menina. (Ver Lev. 12:1-8. onde se leem esses regulamentos bíblicos). A impureza podia ser física. cerimonial ou moral. Aquele que participasse da adoração deveria ser fisicamente puro, além de estar cerimonialmente limpo (mediante observacia de muitas leis variegadas concernentes ao que podia ser tocado, comido, etc.) e moralmente limpo, através da observância da lei moral, Principalmente os dez mandamentos. É possível que o fluxo de sangue, após o nascimento de uma criança, assim tomando a mãe supostamente «fisicamente inquira», tivevesse dado lugar a esse regulamento e à subsequente cerimônia de purificação da mãe. No N .T ., o evangelho eliminou tais leis como princípios de adoração. embora muitas delas são proveitosas como medidas de higiene. Os judeos ampliavam a grandes proporções as coisas mais comezinhas, e algumas leis, que eles mesmos reputavam secundárias, acerca da impureza, eram observadas como grandes questões religiosas. No fim do período do tempo designado pela lei, a mãe oferecia certos sacrifícios no templo, estipulados pela lei, devido à sua impureza, e assim ela ficava cerimonialmente limpa.
«.. .para o apresentarem ao Senhor. » Isso foi feito de conformidade com a estipulação de Êx. 13:2, quando o primogênito era criança do sexo masculino. Obviamente era um testemunho da ideia do sacerdócio dos primogênitos, como sobrevivente da ideia em prática, mesmo depois das funções desse sacerdócio terem sido superadas pelo sacerdócio dos filhos de Aarão. Os primogênitos de cada família ainda tinham por obrigação levar uma vida consagrada e tinham de reputar-se pessoas dedicadas a certos misteres especiais. (Ver Heb. 12:23, que indica que todos os crentes devem pensar sobre si mesmos nesses termos, porquanto todos os crentes são «primogênitos» e «primícias» da humanidade, segundo aprendemos em Tia. 1:18). Como expressão formal dessa obrigação, o pagamento de pequena quantia em dinheiro era esperado, feito ao sacerdócio aarônico (ver Núm. 18:15).
O rito da apresentação era diferente do rito da purificação, mas é patente que os dois ritos são mesclados nesta narrativa de Lucas. A lei provia a «redenção» dos meninos primogênitos mediante a oferta de um substituto (Êx. 13:13), mas Lucas omite qualquer menção sobre isso. Lucas apresenta—o quadro inteiro—como apresentação do menino Jesus ao serviço de Deus, e a história foi arranjada de acordo com a narrativa acerca de Samuel, que encontramos na passagem de I Sam. 1:24-28.
«...para oferecer um sacrifício... » A citação é tirada de Lev. 12:8, e isso fala sobre o sacrifício que deveria ser oferecido pela mãe pobre, incapaz de oferecer um cordeiro; em outras palavras, era o sacrifício oferecido pelos pobres, o que nos serve para indicar o estado financeiro da família de José. O preço dos pombos seria o equivalente a alguns poucos centavos. De conformidade com o trecho de Êx. 13:2-12, todos os primogênitos deveriam ser redimidos por tal oierta como—memorial— do fato que as famílias israelitas foram poupadas, quando o anjo destruidor passou por cima do sangue, durante a «páscoa». Também lemos que se dois pombinhos fossem dispendiosos demais para uma família, então poderia ser oferecida uma porção de farinha de trigo, embora sem os usuais acompanhamentos fragrantes de azeite e incenso, o que também se dava no caso da oferta pelo pecado. (Ver Lev. 12:6-8 e 5:7-11). Assim sendo, vemos que a família do Senhor Jesus era pobre, embora não vivesse em pobreza abjeta, posto que preferiram a categoria intermediária. (Á visita dos magos, segundo ficou registrada exclusivamente pelo evangelho de Mateus—2:1-12—mui provavelmente antecedeu a essa ação no templo.
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 2. pag. 32-33.
Jesus viveu e morreu debaixo da Lei de Moisés, a velha aliança (G14.4; 5.3), que só findou quando foi cravada na cruz, Cl 2.14. Por esta razão foi circuncidado, guardava a páscoa e o pentecoste em Jerusalém, e também o sábado. O batismo não ocupa, na nova aliança, o lugar da circuncisão, como alguns ensinam: 1) Os judeus circuncidados foram, também, batizados. 2) Somente os machos foram circuncidados. 3) Não há Escritura que dê a entender que o batismo nas águas foi instituído na nova aliança em lugar da circuncisão, do antigo pacto.
2.21 “E, quando os oito dias foram cumpridos para circuncidar o menino, foi-lhe dado o nome de Jesus, que pelo anjo lhe fora posto antes de ser concebido.
22 “E, cumprindo-se os dias da purificação, segundo a lei de Moisés, o levaram a Jerusalém, para o apresentarem ao Senhor
23 “(segundo o que está escrito na lei do Senhor: Todo macho primogênito será consagrado ao Senhor)
24 “e para darem a oferta segundo o disposto na lei do Senhor: um par de rolas ou dois pombinhos. Um par de rolas ou pombinhos (v.24): A lei exigia um cordeiro e um pombinho, Lv 12.6-8. Os pobres, porém, podiam oferecer duas rolas ou dois pombinhos em vez do cordeiro. Neste versículo, portanto, é claro que José e Maria eram pobres. As ofertas dos magos foram recebidas depois disto. Cristo foi criado por mulher pobre. Passou trinta anos da Sua vida na casa de um homem pobre. Sem dúvida comia pão dos pobres, vestia-se de roupa dos pobres, exercia um ofício de pobres, e compartilhava dos problemas e sofrimentos dos pobres.
Orlando S. Boyer. Espada Cortante 2. Editora CPAD. pag. 43-44.
O nosso Senhor Jesus tornou-se carne tendo “nascido de mulher, nascido sob a lei”, Gálatas 4.4. Ele não somente estava, sendo filho de uma das filhas de Adão, sob a lei da natureza, mas, sendo o filho de uma das filhas de Abraão, sob a lei de Moisés. Ele se submeteu a este jugo, embora fosse um jugo pesado, e “a sombra dos bens futuros”.
Embora as instituições da lei fossem “rudimentos fracos e pobres”, e “rudimentos do mundo”, como o apóstolo se refere a elas (Gl 14.3; 4.9), Cristo se submeteu a elas, para que pudesse, com a melhor graça, anulá-las e eliminá-las para nós. Aqui nós temos dois exemplos de que Ele estava sob aquela lei, e se submetia a ela.
I. Ele foi circuncidado no dia exato indicado pela lei (v. 21): “Quando os oito dias foram cumpridos”, sete noites depois do dia do seu nascimento, eles o circuncidaram. 1. Embora esta fosse uma operação dolorosa (“certamente me és um esposo sanguinário”, disse Zípora a Moisés, “por causa da circuncisão”, Êxodo 4.25,26), ainda assim Cristo se submeteu a ela, por nós; na verdade, Ele se submeteu a ela, para dar-nos um exemplo da sua obediência, desde o início, da sua obediência até o sangue. Assim Ele derramou algumas gotas do seu sangue, que, mais tarde, Ele derramou em correntezas púrpura. 2. Embora, supostamente, Ele fosse um estranho, por meio desta cerimônia Ele era admitido ao concerto com Deus, não obstante Ele sempre tivesse sido o seu Filho amado. Na verdade, embora supostamente, Ele fosse um pecador, que precisava ter a sua impureza removida, embora Ele não tivesse nenhuma impureza ou nenhum acúmulo de maldade a ser removido, ainda assim Ele se submeteu a este rito; Ele se submeteu a isto, porque queria ser feito à semelhança, não somente da carne, mas da carne do pecado, Romanos 8.3.3. Embora com a circuncisão Ele se transformasse em um homem “obrigado a guardar toda a lei” (G1 5.3), ainda assim Ele se submeteu a ela; Ele se submeteu a isto, porque queria assumir a forma de servo, ainda que fosse nascido livre. Cristo foi circuncidado: (1) Para que pudesse ser considerado da descendência de Abraão, e daquela nação de quem, no que diz respeito à carne, Cristo se originou, e para que tomasse a descendência de Abraão, Hebreus 2.16; 9.5. (2) Para que pudesse ser considerado o remidor de nossos pecados, e o responsável pela nossa segurança. A circuncisão (diz o Dr. Goodwin) era o certificado, segundo o qual nós nos reconhecíamos como devedores da lei; e Cristo, ao ser circuncidado, foi como se tivesse iniciado o seu empreendimento de tornar-se pecado por nós. A lei cerimonial consistia, em grande parte, de sacrifícios; Cristo, desta maneira, se obrigou a oferecer, não o sangue de touros ou bodes, mas o seu próprio sangue, algo que ninguém que tinha sido circuncidado antes dele foi forçado a fazer. (3) Para que pudesse justificar e honrar a dedicação da semente recém-nascida da igreja a Deus, através daquela cerimônia que é o selo do concerto, e da justiça, que é pela fé, como era a circuncisão (Rm 4.11), e como é o batismo. E, certamente, sua circuncisão aos oito dias de nascido, faz muito pela dedicação da semente dos crentes pelo batismo, na sua juventude, assim como o seu batismo aos trinta anos de idade o faz por aqueles que se batizam em uma idade adulta. A mudança da cerimônia não altera a sua essência. Na ocasião da sua circuncisão, de acordo com o costume, Ele recebeu o seu nome: “Foi-lhe dado o nome de Jesus”, ou Josué, pois o seu nome foi dado, “pelo anjo”, à sua mãe Maria antes que Ele fosse concebido no útero (cap. 1.31), e ao seu suposto pai, José, posteriormente, Mateus 1.21. [1] Era um nome comum entre os judeus, assim como era o nome de João (Cl 4.11), e com isto Ele se fazia “semelhante aos [seus] irmãos”. [2] Era o nome de dois homens eminentes semelhantes a Ele, no Antigo Testamento, Josué, o sucessor de Moisés, que foi comandante de Israel, e conquistador de Canaã; e Josué, o sumo sacerdote, que foi coroado propositadamente, para que pudesse representar a Cristo como um sacerdote no seu trono, Zacarias 6.11,13. [3] Isto era muito significativo em sua missão. Jesus significa Salvador. Ele seria denominado, não pelas glórias da sua natureza divina, mas pelos seus desígnios graciosos, como Mediador; Ele traz a salvação.
Ele foi apresentado no templo. Isto foi feito para cumprir a lei, e na ocasião indicada pela lei, quando Ele tinha quarenta dias de idade, quando se cumpriram os dias da purificação de Maria, v. 22. Muitas versões, inclusive autênticas, substituem auton por autes, ou seja, “os dias da purificação deles” (como a Versão RA), da purificação tanto da mãe quanto da criança, pois assim devia ser, de acordo com a lei; e o nosso Senhor Jesus, embora não possuísse impureza da qual purificar-se, ainda assim submeteu-se a isto, como já tinha feito com a circuncisão, porque Ele se fez pecado por nós; e para que, assim como pela circuncisão de Cristo nós possamos ser circuncidados, em virtude da nossa união e comunhão com Ele, com uma circuncisão espiritual, não feita por mão (Cl 2.11), também na purificação de Cristo nós pudéssemos ser espiritualmente purificados da imundície e corrupção que trouxemos ao mundo conosco. Segundo a lei: 1. O menino Jesus, sendo um primogênito do sexo masculino, foi apresentado ao Senhor, em um dos pátios do templo. A lei está aqui reproduzida (v. 23): “Todo macho primogênito será consagrado ao Senhor”, porque, por um decreto especial de proteção para os israelitas, os primogênitos dos egípcios foram assassinados pelo anjo destruidor; para que Cristo, como primogênito, fosse um sacerdote, por um direito mais garantido do que aquele da casa de Arão. Cristo foi “o primogênito entre muitos irmãos”, e foi “consagrado ao Senhor”, como nenhum outro tinha sido; mas, ainda assim, Ele foi apresentado ao Senhor como qualquer outro primogênito, e não de qualquer outra maneira. Embora Ele tivesse recentemente saído do seio do Pai, ainda assim Ele foi apresentado a Ele pelas mãos de um sacerdote, como se Ele fosse um estranho, que precisasse de alguém que o apresentasse. O fato de que Ele foi apresentado ao Senhor agora significou que Ele se apresentou ao Senhor como Mediador, quando estava destinado a aproximar-se dele, Jeremias 30.21. Mas, de acordo com a lei, Ele foi resgatado, Números 18.15. “Os primogênitos dos homens resgatarás”, e “a tua avaliação dum varão será de cinco siclos de prata”, Levítico 27.6; Números 18.16. Mas, provavelmente em caso de pobreza, o sacerdote tinha permissão de receber menos, ou talvez nada; pois nenhuma menção a isto é feita aqui. Cristo foi apresentado ao Senhor, não para ser levado de volta, pois Ele foi levado à porta de Deus, para servi-lo para sempre (Êx 21.6); e embora Ele não seja deixado no templo, como Samuel, para ministrar ali, ainda assim, como Samuel, Ele é consagrado ao Senhor por toda a sua vida, e para servi-lo no verdadeiro templo “não feito por mãos de homens”, Marcos 14.58. 2. A mãe trouxe a sua oferta, v. 24. Quando ela apresentasse o seu filho ao Senhor, esse filho que seria o supremo sacrifício, ela poderia ter sido dispensada de fazer qualquer outra oferta. Mas, assim está disposto na lei do Senhor, a lei que ainda estava em vigor. E, portanto, isto deve ser feito, ela deve oferecer “um par de rolas ou dois pombinhos”. Se tivesse recursos, ela deveria ter trazido um “um cordeiro por holocausto”, e “um pombinho para expiação do pecado” ; mas, sendo pobre, e não podendo pagar o preço de um cordeiro, ela traz duas rolas, uma para o holocausto, e a outra para a expiação dos pecados (veja Lv 12.6,8), para nos ensinar, sempre que nos dirigirmos a Deus, e particularmente nestas ocasiões especiais, a dar graças a Deus pelas suas bênçãos a nós, e também a reconhecer, com tristeza e vergonha, os nossos pecados contra Ele; com as duas atitudes, nós devemos dar glória a Ele, e nunca nos faltarão motivos para elas. Cristo não foi concebido e nascido no pecado, como as outras pessoas, e não havia, no seu caso, a mesma oportunidade que havia nos outros casos; mas, por ter nascido sob a lei, Ele se sujeitou a Ela. Assim, lhe foi conveniente “cumprir toda a justiça”. Muito mais conveniente é, ao melhor dos homens, participar da confissão do pecado; pois “Quem poderá dizer: Purifiquei o meu coração?”
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 530-531.

ELABORADO: Pb Alessandro Silva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário